Dólar Comercial compra R$ 4,4861 venda R$ 4,4866 máxima 4,4863
Euro compra R$ 4,9365 venda R$ 4,9388 máxima 4,9588
28 Fev - 08h50
sexta, 28 de fevereiro de 2020
Vale ITV Galeria
Unique_mobile
PEIXE-ELÉTRICO

Cientistas confirmam a existência de mais duas espécies de poraquê

Uma delas tem a capacidade de gerar uma descarga elétrica de 860 volts, tornando-se a mais forte geradora de bioeletricidade até o momento

12 Set 2019 - 17h23Atualizado 12 Set 2019 - 17h27
Cientistas confirmam a existência de mais duas espécies de poraquê - Crédito: Museu Paraense Emílio Goeldi Crédito: Museu Paraense Emílio Goeldi

O curioso Electrophorus electricus, o popular poraquê, conhecido pela descarga elétrica de 650 volts que é capaz de gerar, já não é mais considerado pela ciência como a única espécie de enguia elétrica distribuída na Pan-Amazônia.

Após dois séculos e meio desde sua descrição pelo naturalista sueco Carl Linnaeus, 24 pesquisadores do Brasil, Estados Unidos e Suécia assinaram um artigo publicado pela revista Nature confirmando hipóteses lançadas por estudos originados no Museu Paraense Emílio Goeldi: existem, sim, outros peixes-elétricos na região.

No artigo, os cientistas apresentam o Electrophorus varii e o Electrophorus voltai, com um detalhe surpreendente: um deles, o E. voltai, tem capacidade de gerar uma descarga elétrica de 860 volts, tornando-se o mais forte gerador de bioeletricidade até o momento.

As três linhagens principais da espécie se diferenciaram no transcurso de milhões de anos, mais especificamente nas eras geológicas conhecidas por Mioceno e Plioceno. Mas apenas uma delas havia sido descrita pela ciência até então, apontou a pesquisa.

A pesquisa

O estudo teve início com o projeto de pesquisa de Wolmar B. Wosiacki, curador do Acervo Ictiológico do Museu Goeldi e co-autor do artigo, e foi tema de estudo no mestrado da estudante Natália Castro, em 2011, também co-autora. O primeiro autor, David de Santana, deu prosseguimento a pesquisa com o grupo de cientistas da instituição há cinco anos, como bolsista do Programa de Desenvolvimento Científico e Tecnológico Regional (DCR), sob a orientação de Wosiacki.

As etapas de pesquisa levaram em conta padrões de dados genéticos, morfológicos e ecológicos das espécies, proporcionando descrições que servem agora de referência para futuros estudos e possíveis aplicações desses conhecimentos.

Fonte: Ascom/Museu Emilio Goeldi

Envie denúncias, informações, vídeos e imagens para o Whatsapp do Portal Roma News
(91) 99385-1113ou clique aqui e fale conosco

Deixe seu Comentário

Leia Também

Dupla é presa após furtar igreja em Parauapebas
DEU RUIM

Dupla é presa após furtar igreja em Parauapebas

há 12 minutos atrás
Dupla é presa após furtar igreja em Parauapebas
Pacientes do Hospital Gaspar Vianna ‘madrugam’ para conseguir atendimento. Assista!
DESCASO

Pacientes do Hospital Gaspar Vianna ‘madrugam’ para conseguir atendimento. Assista!

há 50 minutos atrás
Pacientes do Hospital Gaspar Vianna ‘madrugam’ para conseguir atendimento. Assista!
Acusado de matar a facadas folião no Bloco do Peru já está preso
VIOÊNCIA NO CARNAVAL

Acusado de matar a facadas folião no Bloco do Peru já está preso

28/02/2020 07:00
Acusado de matar a facadas folião no Bloco do Peru já está preso
Pacientes e servidores da Santa Casa denunciam quase 60 casos de sarampo no hospital
SÓ ESTE ANO

Pacientes e servidores da Santa Casa denunciam quase 60 casos de sarampo no hospital

28/02/2020 05:00
Pacientes e servidores da Santa Casa denunciam quase 60 casos de sarampo no hospital
'Coronavírus pode se adaptar bem ao clima úmido da região Norte', diz infectologista
RISCO NO PARÁ

'Coronavírus pode se adaptar bem ao clima úmido da região Norte', diz infectologista

28/02/2020 04:59
'Coronavírus pode se adaptar bem ao clima úmido da região Norte', diz infectologista
Últimas Notícias