Dólar Comercial compra R$ 5,2214 venda R$ 5,2245 máxima 5,2229
Euro compra R$ 5,6668 venda R$ 5,6722 máxima 5,6944
08 Abr - 04h51
quarta, 08 de abril de 2020
Basa Capital de Giro
Basa Caoital de Giro - mobile
EM NOTA

Sindicato dos lojistas pede retomada da atividade em Belém

25 Mar 2020 - 12h50Atualizado 25 Mar 2020 - 16h01
Sindicato dos lojistas pede retomada da atividade em Belém - Crédito: Reprodução/Redes sociais Crédito: Reprodução/Redes sociais

O Sindicato do Comércio Varejista e dos Lojistas de Belém (Sindlojas), divulgou na manhã desta quarta-feira, 25, uma nota pedindo a retomada das atividades do comércio na capital, que foram suspensas como forma de conter a pandemia do novo coronavírus.

Na nota, o Sindicato diz entender a importância das medidas adotadas pelos governos municipal e estadual, mas argumenta que a restrição das atividades e serviços do comércio representa um “grave risco de colapso econômico e social, com reflexos diretos no emprego, na renda e no aumento da pobreza”.

O Sindicato defende a retomada da atividade o mais breve possível e se compromete a adotar medidas como redução do horário de atendimento das empresas, para evitar a aglomeração no transporte coletivo; redução da jornada de trabalho; concessão de férias aos empregados que se enquadrem no chamado grupo de risco; adoção do trabalho em casa (home office); prática do e-commerce e entregas em domicílio; limitação na entrada de clientes; obrigatoriedade de controle de distanciamento social entre pessoas; obrigatoriedade de controle de higienização das mãos (lavatórios ou álcool 70); obrigação de afixar recomendação ostensiva de regras de higiene e de comportamento social; entre outras. 

Confira na íntegra o que diz a nota do Sindilojas:

“O Sindicato do Comércio Varejista e dos Lojistas de Belém manifesta grande preocupação com os efeitos decorrentes do enfrentamento do estado de calamidade pública e da emergência de saúde pública de importância internacional decorrente do coronavírus (COVID-19). 

O Governo do Estado do Pará e a Prefeitura Municipal de Belém têm se mostrado bastantes combatíveis diante do enorme desafio da situação de emergência em saúde pública. Os cidadãos belenenses têm assimilado a necessidade de isolamento em suas casas. 

Temos plena consciência de que a medida de quarentena busca diminuir a velocidade de transmissão do coronavírus e tem como objetivo principal garantir a manutenção dos serviços de saúde. 

Entretanto, a restrição de atividades e serviços privados não essenciais, a exemplo do comércio em geral, oferece grave risco de colapso econômico e social, com reflexos diretos no emprego, na renda e no aumento da pobreza. Ou seja, mesmo que no final o vírus acabe vencido, acabará deixando um lastro enorme de devastação econômica e social. 

Por isso, é necessário reagir também no campo econômico neste momento de crise na saúde pública. Não podemos deixar o coronavírus sufocar a economia, pois ela é essencial para se fazer a justiça social e garantir direitos básicos como educação, saúde, trabalho, lazer, liberdade de ir e vir, etc. 

Para tanto, acreditamos que as medidas já adotadas em atividades essenciais para conter a velocidade de transmissão do coronavírus, também podem ser adotadas nos demais setores da economia, medindo-se os seus efeitos, até que se atinja a normalidade. 

Para buscarmos a retomada das atividades no comércio varejista de produtos considerados não essenciais, elaboramos material informativo com algumas orientações para as empresas lojistas e varejistas do comércio de Belém: redução do horário de atendimento das empresas, para evitar a aglomeração no transporte coletivo, redução da jornada de trabalho, concessão de férias aos empregados elencados nos grupos de maior vulnerabilidade ao COVID-19, adoção do trabalho em casa (home office), prática do e-commerce e entregas em domicílio; limitação na entrada de clientes; obrigatoriedade de controle de distanciamento social entre pessoas; obrigatoriedade de controle de higienização das mãos (lavatórios ou álcool a 70 graus); manutenção da recomendação de não circulação de pessoas vulneráveis a COVID-19; manutenção da proibição de aglomeração; obrigação de afixar recomendação ostensiva de regras de higiene e de comportamento social. 

Acreditamos que retomada da atividade econômica deve ser iniciada o mais breve possível. Não podemos perder essa batalha!”

Envie denúncias, informações, vídeos e imagens para o Whatsapp do Portal Roma News
(91) 99385-1113ou clique aqui e fale conosco

Deixe seu Comentário

Leia Também

Covid-19 chega à população carcerária paraense: Belém tem primeiro caso de detento com teste positivo
CORONAVÍRUS

Covid-19 chega à população carcerária paraense: Belém tem primeiro caso de detento com teste positivo

08/04/2020 02:00
Covid-19 chega à população carcerária paraense: Belém tem primeiro caso de detento com teste positivo
Homem de 69 anos morre vítima da covid-19 em Belém
CORONAVÍRUS

Homem de 69 anos morre vítima da covid-19 em Belém

07/04/2020 23:14
Homem de 69 anos morre vítima da covid-19 em Belém
Hospital Regional de Cametá divulga que paciente com suspeita de coronavírus fugiu da unidade
NAS REDES SOCIAIS

Hospital Regional de Cametá divulga que paciente com suspeita de coronavírus fugiu da unidade

07/04/2020 21:15
Hospital Regional de Cametá divulga que paciente com suspeita de coronavírus fugiu da unidade
Após decreto municipal que restringe entrada na cidade, mulher pede à Justiça autorização para passar quarentena em Salinas
NORDESTE PARAENSE

Após decreto municipal que restringe entrada na cidade, mulher pede à Justiça autorização para passar quarentena em Salinas

07/04/2020 20:30
Após decreto municipal que restringe entrada na cidade, mulher pede à Justiça autorização para passar quarentena em Salinas
Governo do Pará paga R$ 19 por um suco e salgado que custam no máximo R$ 5
COMPLETO

Governo do Pará paga R$ 19 por um suco e salgado que custam no máximo R$ 5

07/04/2020 19:39
Governo do Pará paga R$ 19 por um suco e salgado que custam no máximo R$ 5
Últimas Notícias