Delegado compara desaparecimento de criança de 2 anos no Marajó com caso Amanda

O delegado que comanda as investigações do desaparecimento de Elisa Ladeira Rodrigues, de 2 anos, no município de Anajás, na ilha do Marajó, no Pará, desde o último sábado, 16, comparou o caso com o de Amanda Ribeiro, de 10 anos, que desapareceu em 2022 e, após 4 dias desaparecida, teve o corpo encontrado amarrado...

Publicado em 26 de junho de 2024 às 12:26

O delegado que comanda as investigações do desaparecimento de Elisa Ladeira Rodrigues, de 2 anos, no município de Anajás, na ilha do Marajó, no Pará, desde o último sábado, 16, comparou o caso com o de Amanda Ribeiro, de 10 anos, que desapareceu em 2022 e, após 4 dias desaparecida, teve o corpo encontrado amarrado embaixo do trapiche de Anajás.

O delegado Thiago Diniz, da Divisão de Homicídios de Belém, que trabalhou para solucionar o caso de Amanda, disse que agora a situação é mais complicada e 'obscura' pela falta do corpo. A declaração foi feita durante conversa com os moradores da comunidade do Zinco, logo após a fuga de Renan, um dos suspeitos pelo sumiço de Elisa.

De acordo com o portal Notícia Marajó, o delegado buscou a confiança da comunidade ao relembrar que conduziu as investigações do caso Amanda e destacou que duas pessoas foram indiciadas. Diniz explicou que o caso do ano passado foi mais fácil de ser resolvido porque havia um corpo.

Caso Amanda

O assassinato brutal de Amanda Ribeiro foi um dos crimes que mais chocou o Pará em 2022. A menina desapareceu no dia 7 de junho, quando saiu de casa para passear e ficou quatro dias desaparecida. Neste período, a cidade e as autoridades se mobilizaram para encontrá-la. O corpo de Amanda foi achado amarrado debaixo do trapiche municipal com vários hematomas e sinais de tortura.

Um homem, identificado como Jobson da Silva Miranda, foi preso em flagrante e confessou participação no crime. Uma menor de idade, que também admitiu a participação, foi apreendida. Os dois foram transportados para Belém em aeronave do Grupamento Aéreo de Segurança Pública (Graesp), na tarde do domingo, 12. Um terceiro envolvido no caso, Josuel dos Santos Gomes, morreu em confronto com os agentes de segurança que participaram da ação.

Com informações do Notícia Marajó