Setembro Amarelo: veja os sinais e cuidados com a depressão na infância e adolescência

A campanha do Setembro Amarelo deste ano começou, o lema deste ano é “Se precisar, peça ajuda!”. A data oficial do evento é todo dia 10 de setembro, que marca o Dia Mundial de Prevenção ao Suicídio. Por isso, profissionais da área de saúde mental têm trazido como temática a depressão na infância e...

Publicado em 26 de junho de 2024 às 12:11

A campanha do Setembro Amarelo deste ano começou, o lema deste ano é 'Se precisar, peça ajuda!'. A data oficial do evento é todo dia 10 de setembro, que marca o Dia Mundial de Prevenção ao Suicídio. Por isso, profissionais da área de saúde mental têm trazido como temática a depressão na infância e adolescência. No entanto, os cuidados e a prevenção dos diferentes transtornos a esse público devem ocorrer durante o ano todo, como explica Sandra Vieira, psicóloga da Faculdade Serra Dourada de Altamira, Pará.

Conforme o que diz a docente, um dos principais sinais de que a criança e o adolescente estejam passando por um processo depressivo, ou evoluindo para um transtorno depressivo, são claros. Entre eles estão a alteração de humor, retraimento e isolçamento social.

'A criança ou o adolescente vai ficar mais quietinho. Vai ter problemas na socialização, geralmente na escola, mas também pode ser em casa, na família. Ele (a) vai ficar mais calado, mais no canto dele, sem interagir socialmente com as pessoas', explica Sandra.

A profissional completa dizendo, que especificamente na adolescência, esse problema é um sintoma comum, mas que precisamos prestar atenção na intensidade desse isolamento. Se isso está influenciando nas relações interpessoais. Isso pode ser sintoma de depressão. Além dos sinais já mencionados, a alteração relacionada ao sono e apetite são sintomas adicionais que podem ser observados, uma vez que tanto a criança quanto o adolescente podem ter problemas de insônia ou dormir demais (hipersonia) e com a perda de peso.

Os riscos do aparecimento deste transtorno na fase infantojuvenil, pode acarretar transtornos graves, como: transtorno bipolar, transtorno depressivo com sintomas psicóticos (que vem delírios e alucinações.

A boa notícia é que existe tratamento para o transtorno depressivo na infância e adolescência. Para isso, é preciso passar pela avaliação de um médico psiquiatra, ele verá se terá a necessidade de um tratamento medicamento e acompanhamento psicoterapêutico, o qual consiste no acompanhamento psicológico. Ainda segundo a magistrada, a psicoterapia cognitiva comportamental tem mostrado evidencias cientificas, uma das melhores abordagens e tratamento para o transtorno da depressão na infância e adolescência.