Suspeito de matar paraense e carbonizar corpo em lareira no RS confessa crime à polícia, diz delegada

Poucas horas após ser preso, André Ávila, de 37 anos, suspeito de matar e carbonizar corpo da namorada, a paraense Laila Vitória, de 20 anos, na madrugada do último domingo, 26, em Viamão, na Região Metropolitana de Porto Alegre, confessou o crime em depoimento à polícia nesta quarta-feira, 29, conforme a...

Publicado em 26 de junho de 2024 às 09:03

Poucas horas após ser preso, André Ávila, de 37 anos, suspeito de matar e carbonizar corpo da namorada, a paraense Laila Vitória, de 20 anos, na madrugada do último domingo, 26, em Viamão, na Região Metropolitana de Porto Alegre, confessou o crime em depoimento à polícia nesta quarta-feira, 29, conforme a delegada Cristiane Pires Ramos, responsável pelo caso. 

''Ele foi bastante frio nas declarações. Ele disse que não sabe exatamente o que aconteceu, que foi um surto, que foi um momento de adrenalina, mas não disse especificamente estar arrependido'', afirma a delegada.

A jovem, natural de Parauapebas, no sudeste do Pará, havia se mudado para Porto Alegre após conhecer André pela internet, com quem manteve um breve relacionamento. Nos últimos dias, ele teria ficado com um comportamento agressivo. O corpo de Laila foi encontrado carbonizado em uma residência, no bairro do Lemi. A hipótese é de que ele não teria aceitado o fim do relacionamento.

''Testemunhas nos trouxeram prints de conversas em que ela afirma que estava com medo e que queria ir embora daqui. Ela estava contando os dias, falando com a mãe dela, com uma amiga, dizendo que tava indo embora e que tinha medo dele'', relata a delegada.

A delegada afirma que o crime não tem relação com um possível ritual macabro patricado por André, e que com a hipótese descartada, a polícia trata o caso como feminicídio, pois teria ocorrido em razão de uma briga.

''A nossa investigação foca totalmente na linha de feminicídio. Inclusive, todas as provas que estão sendo trazidas ao nosso inquérito policial dão conta de uma violência contra a mulher'', sustenta a delegada.

Cristiane Ramos acrescenta que a vítima viajou ao RS apenas com intuito afetivo. Conforme as provas coletadas pela delegada, Laila 'respeitava e preferia se manter distante' da religião seguida e praticada por André.

}}Com informações do G1.