Dólar Comercial compra R$ 5,4429 venda R$ 5,4435 máxima 5,4467
Euro compra R$ 5,929 venda R$ 5,9301 máxima 5,9369
25 Mai - 19h24
segunda, 25 de maio de 2020

EDITORIAL

Helder Barbalho encerra primeiro ano de governo com ataque aos servidores estaduais

22 Dez 2019 - 11h26

No apagar das luzes de 2019, os servidores públicos estaduais do Pará amargaram a cruel notícia de que além não receberem reajuste salarial, ainda teriam aumento de 11% para 14% na alíquota previdenciária, que é descontada todos os meses de seus contracheques. 

O governador Helder Barbalho (MDB) enviou para o Parlamento Estadual o projeto em regime de urgência, lhes negando oportunidade de debater a medida. O resultado que a população constatou abismada, foi a Polícia Militar reprimir os servidores da porta da Assembleia Legislativa com muito tiro de bala de borracha, gás lacrimogêneo e spray de pimenta. 

Sob muita violência, os servidores viram os deputados aprovarem o projeto com o prédio do parlamento tomado por policiais e as galerias populares esvaziadas.

Além dos professores, que assistiram ao então candidato Helder assinar uma carta-compromisso com a promessa de adequação salarial dos professores da rede pública estadual ao piso nacional do magistério e ficaram "a ver navios", a Polícia Militar do Pará encerra 2019 com o mesmo soldo (vencimemto-base) de praças e soldados, abaixo do salário mínimo, constatando que pagar promessas não é o forte do governador.

O primeiro ano do governo Helder começou com muita pirotecnia e termina num angustiante descontrole do desmatamento; denúncias de concursados ao Ministério Público Estadual - por descumprimento das nomeações e contratações de servidores temporários -; excesso de contratações de parentes, assessores ditos especiais, além de pessoas acusadas de crimes.

Foi o caso de Jardel Rodrigues da Silva, subchefe da Casa Civil, preso pela Polícia Federal durante a Operação Saldo Zero, logo no segundo mês do governo. 

Na semana que passou, houve até operação da Polícia Federal de busca e apreensão no Palácio do Governo, procurando provas de criminalidade contra o vice-governador Lúcio Vale, deixando atônitos os eleitores.

As violações de direitos humanos contra os presos, após a chacina no presídio de Altamira, movida pela guerra de facções, levou a OAB/PA a definir o caso como, estado de exceção implantado no sistema penitenciário do Pará, já que através de portaria o governo proibiu advogados de visitar seus clientes. 

E para concluir dezembro de 2019, pela quarta vez foi adiada a inauguração da obra de reforma da ponte de Moju, que integra o complexo Alça Viária, que liga o sul e sudeste do Pará à Região Metropolitana e capital paraense.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Guarda Municipal contabiliza mais de 500 autuações durante lockdown em Belém
BALANÇO

Guarda Municipal contabiliza mais de 500 autuações durante lockdown em Belém

há 3 minutos atrás
Guarda Municipal contabiliza mais de 500 autuações durante lockdown em Belém
Em carta, presidente do Flamengo fala em 'intolerância política' por criticas à reunião com Bolsonaro
NÃO GOSTOU

Em carta, presidente do Flamengo fala em 'intolerância política' por criticas à reunião com Bolsonaro

há 10 minutos atrás
Em carta, presidente do Flamengo fala em 'intolerância política' por criticas à reunião com Bolsonaro
POUCAS E BOAS

Luto na medicina do Pará

há 24 minutos atrás
Artista turco transforma Os Simpsons em imagens realistas
IMPRESSIONANTE

Artista turco transforma Os Simpsons em imagens realistas

há 59 minutos atrás
Artista turco transforma Os Simpsons em imagens realistas
Ao vivo: Governo Federal divulga as novas ações de combate à Covid-19
ACOMPANHE

Ao vivo: Governo Federal divulga as novas ações de combate à Covid-19

25/05/2020 18:23
Ao vivo: Governo Federal divulga as novas ações de combate à Covid-19
Últimas Notícias