Dólar Americano/Real Brasileiro compra R$ 5,6239 venda R$ 5,6249 máxima 5,6244
Euro/Real Brasileiro compra R$ 6,373 venda R$ 6,3747 máxima 6,3797
30 Nov - 21h47
terça, 30 de novembro de 2021

TRIBUTANDO

A privatização da gestão tributária e o ônus nas mãos dos contribuintes

09 Nov 2021 - 08h01Por Francisco Savio Mileo

Nas redes sociais, circula um meme em que se narra uma suposta conversa entre um contribuinte e uma pessoa da administração pública fiscal. O diálogo é assim:

Fisco:  Você me deve dinheiro. Pague seu imposto.

Contribuinte: Fala quanto eu devo que eu pago!

Fisco: Quem tem que calcular quanto nos deve é você.

Contribuinte: E se eu errar? Eu pago quanto eu quiser?

Fisco: Se errar vai pra cadeia! A gente sabe o que você deve.

Contribuinte: Então fala quanto eu devo que eu pago!

Essa conversa é um resumo perfeito da realidade sofrida pelos brasileiros.

Explico o porquê.

De acordo com o artigo 142 do Código Tributário Nacional, o crédito tributário é constituído pelo lançamento, sendo este qualificado como o procedimento administrativo tendente a verificar a ocorrência do fato gerador da obrigação, determinar a matéria tributável, calcular o montante do tributo devido, identificar o sujeito passivo e, sendo caso, propor aplicação da penalidade cabível.

A legislação brasileira prevê três modalidades de lançamento, a depender da participação do contribuinte. São elas: (i) lançamento de ofício, (ii) lançamento por declaração e (iii) lançamento por homologação.

O lançamento de ofício ocorre quando a própria administração tributária assume a tarefa de apurar o valor do tributo e notificar o contribuinte, previamente identificado em eventual cadastro, a pagar aquela quantia. Exemplo de lançamento de ofício é o carnê de IPTU que os contribuintes recebem anualmente.

Já o lançamento por declaração é um lançamento misto. Há participação tanto do contribuinte quanto da administração pública. A rigor, os contribuintes apresentam informações à autoridade fiscal, a qual, com base nesses dados, procede com a apuração e o cálculo do tributo devido. Exemplo de lançamento por declaração é visto na seara aduaneira, notadamente na Declaração de Importação.

Por fim, o lançamento por homologação se perfaz quando o contribuinte apura por si próprio o montante devido e, ainda, efetua o recolhimento dos valores aos cofres públicos. A administração pública não tem participação imediata nessa apuração; sua atuação, aqui, relaciona-se com uma função de controle, ou melhor, de exame posterior (homologação). Exemplo de lançamento por homologação é a apuração do ICMS, na qual o contribuinte, através dos livros contábeis de entrada e saída, realiza todo o cálculo, aproveitando-se dos créditos, e procede com o recolhimento do tributo.

Antigamente, a atividade tributária do Estado contava com uma participação muito maior da administração pública na cobrança dos tributos. Daí, até, o apelido que o Fisco recebia – ainda recebe – de “Leão”. Todavia, com o passar do tempo, essa presença direta da administração pública no processo de arrecadação se tornou cada vez mais difícil. Primeiro, porque há uma infinidade de contribuintes sujeitos à fiscalização e, em compensação, não há numerário técnico capaz de realizar todo esse trabalho. Segundo, porque trata-se de uma atividade custosa para o Estado.

Diante dessa realidade, vem acontecendo um movimento de transferência dessas atividades que antes eram de responsabilidade da administração pública. Vale dizer, a administração pública está repassando aos contribuintes a função de interpretar a lei, calcular o montante do tributo e proceder com o recolhimento da quantia apurada aos cofres públicos. Esse fenômeno é batizado de privatização da gestão tributária.

No Brasil, são poucos os tributos que se sujeitam ao lançamento de ofício e ao lançamento por declaração. Certamente, a modalidade mais corriqueira de lançamento é que se dá por homologação. Ou seja, hoje o processo de arrecadação nacional é conduzido muito mais pelos contribuintes do que pela administração pública, que se limita a examinar, averiguar, vistoriar e, estando tudo em ordem, homologar o recolhimento feito de antemão.

O fenômeno da privatização da gestão tributária existente em nosso país e no mundo é necessário e inevitável. Realmente, é impossível para a administração pública conseguir identificar e mensurar todos os fatos geradores que ocorrem por minuto. Todavia, não se pode fechar os olhos para os problemas e efeitos decorrentes.

Em primeiro lugar, destaca-se que os contribuintes assumem todo o ônus financeiro. Evidentemente, a transferência de afazeres do Estado aos contribuintes implica a transferência dos encargos econômicos. De um lado, desonera-se o Estado. Do outro lado, onera-se o contribuinte. Como se sabe, a relação jurídico-tributária é composta pela obrigação principal e pela obrigação acessória (deveres instrumentais). Logo, há custo financeiro para se apurar o montante do tributo devido, que perpassa pela emissão de notas fiscais, alimentação de livros contábeis, preenchimento de declarações etc., além do próprio pagamento do tributo em si. Em termos simples, o contribuinte paga para poder pagar o tributo.

Em segundo lugar, destaca-se que os contribuintes assumem toda a responsabilidade na apuração. Com efeito, é o próprio contribuinte quem interpreta a lei. Daí, nesse processo, pode vir a ser que o contribuinte entenda que determinada operação não é tributada, mas o fisco discorda; pode vir a ser que o contribuinte entenda que determinada entrada de mercadoria lhe dê direito ao crédito, mas o fisco discorda; pode vir a ser que o contribuinte entenda que a alíquota aplicável em determinada operação é de “X”, mas o fisco discorda e por aí vai. Nesse contexto, o contribuinte está sujeito ao erro e, consequentemente, ao risco de lhe aplicarem uma penalidade, aumentando ainda mais os gastos com a tributação.

Conseguiram entender, agora, a conversa transcrita no início do texto? Pois é. A piada é genial. Já que as circunstâncias exigem uma participação maior dos contribuintes para com o processo de arrecadação, a legislação deveria ao menos dar o suporte necessário, e não prever inúmeras penalidades.

 

Francisco Savio Mileo

Mestre em Direito Econômico, Financeiro e Tributário pela USP. Pós-graduado em Direito Empresarial pela FGVLAW. Pós-graduado em Direito Tributário pelo IBDT. Graduado em Direito pela UFPA.

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Rico Melquiades e MC Gui selam a paz em cena ‘romântica’
A FAZENDA 13

Rico Melquiades e MC Gui selam a paz em cena ‘romântica’

há 7 minutos atrás
Rico Melquiades e MC Gui selam a paz em cena ‘romântica’
OMS diz que proibição de viagens não vão impedir disseminação da Ômicron
INTERNACIONAL

OMS diz que proibição de viagens não vão impedir disseminação da Ômicron

há 29 minutos atrás
OMS diz que proibição de viagens não vão impedir disseminação da Ômicron
Pará sedia prêmio nacional Dólmã e  festival Enchefs Brasil 2021
GASTRONOMIA

Pará sedia prêmio nacional Dólmã e festival Enchefs Brasil 2021

30/11/2021 20:36
Pará sedia prêmio nacional Dólmã e  festival Enchefs Brasil 2021
Fiocruz entrega 2,8 milhões de doses de AstraZeneca
SAÚDE

Fiocruz entrega 2,8 milhões de doses de AstraZeneca

30/11/2021 20:21
Fiocruz entrega 2,8 milhões de doses de AstraZeneca
Famílias de baixa renda terão redução automática na conta de luz
ECONOMIA

Famílias de baixa renda terão redução automática na conta de luz

30/11/2021 20:08
Famílias de baixa renda terão redução automática na conta de luz
Últimas Notícias