Dólar Americano/Real Brasileiro compra R$ 4,9048 venda R$ 4,9059 máxima 4,9253
Euro/Real Brasileiro compra R$ 5,868 venda R$ 5,8698 máxima 5,8888
25 Jun - 10h50
sexta, 25 de junho de 2021

Rolê Científico

Amazônia-1 e o Brasil no espaço

Satélite 100% brasileiro é lançado de base na Índia, mesmo com a ciência nacional capenga.

02 Mar 2021 - 12h00Por Giovanni Palheta e Yuri Willkens

O primeiro satélite 100% brasileiro foi lançado dia 28 de fevereiro de uma base na Índia. O satélite foi desenvolvido pelo Instituto de Pesquisas Espaciais - Inpe e a Agência Espacial Brasileira - AEB. O satélite batizado de Amazônia-1 irá monitorar a nossa floresta e gerar imagens e dados para coibir o desmatamento na Amazônia, que sofre com o descaso de nossos governantes e a consequente falta de punição dos agentes causadores. Os dados do Amazônia-1 também poderão ser usados para outras aplicações como monitoramento ambiental, da agricultura, das zonas costeiras e por aí vai.

Amazônia-1

Primeiro satélite?

O Brasil, na verdade, possui outros satélites para monitorar o nosso território, mas eles são tecnologias desenvolvidas em parceira com outros países, como o Satélite Sino-Brasileiro de Recursos Terrestres - CBERS, em parceria com a China. O Amazônia-1 é o oficialmente o primeiro satélite desenvolvido com tecnologia brasileira, uma conquista para a nossa área aeroespacial.

Tudo isso gera maior soberania do nosso país em tecnologia, leva ao fortalecimento das instituições Inpe e AEB, e um ganho no fornecimento de dados florestais como os que o Inpe já processa e divulga com muita competência nos programas PRODES e DETER.

Polêmica

Embora seja excelente que tenhamos uma conquista a nível astronômico, não devemos esquecer da ingrata situação das instituições de pesquisa brasileiras e de seus cientistas. O lançamento do satélite foi adiado e aos trancos e barrancos foi lançado, mas quase não, pois cortaram bolsas de pesquisa do Inpe, incluindo das pessoas envolvidas no desenvolvimento do Amazônia-1. Para não deixar na lembrança, as situações precárias da ciência nacional, em 2019 o então diretor do INPE, Ricardo Galvão, foi exonerado, pois 'desagradou' o presidente com os dados de alta do desmatamento na Amazônia. Os dados foram depois onfirmados por outros satélites internacionais. Por defender a competência da pesquisa brasileira e a proteção da Amazônia, Galvão foi eleito uma das 10 personalidades do ano de 2019 pela conceituada revista Nature.

Micah B. Rubin - Nature

Graças às nossas instituições e cientistas estamos avançando mesmo devagar. Lembrem-se que a nossa base de lançamento de Alcântara no Maranhão é uma das melhores do mundo, e não é utilizada por diversos fatores, dentre eles, o medíocre investimento em ciência e tecnologia no país, de longa data. O Brasil tem um potencial aeroespacial absurdo! Mas por enquanto, nos contentemos com o satélite e o astronauta ministro.

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Primeiro Feirão Digital da Casa Própria oferece 180 mil imóveis
EDIÇÃO ONLINE

Primeiro Feirão Digital da Casa Própria oferece 180 mil imóveis

há 2 minutos atrás
Primeiro Feirão Digital da Casa Própria oferece 180 mil imóveis
Prévia da inflação oficial fica em 0,83% em junho, diz IBGE
ECONOMIA

Prévia da inflação oficial fica em 0,83% em junho, diz IBGE

há 10 minutos atrás
Prévia da inflação oficial fica em 0,83% em junho, diz IBGE
Volante sai no BID e pode estrear pelo Paysandu diante o Floresta
BIDOU!

Volante sai no BID e pode estrear pelo Paysandu diante o Floresta

há 14 minutos atrás
Volante sai no BID e pode estrear pelo Paysandu diante o Floresta
Cientistas descobrem nova espécie de ancestral humano em Israel
INTERNACIONAL

Cientistas descobrem nova espécie de ancestral humano em Israel

há 29 minutos atrás
Cientistas descobrem nova espécie de ancestral humano em Israel
Homem é executado a tiros no centro de Belém
CRIMINALIDADE

Homem é executado a tiros no centro de Belém

há 33 minutos atrás
Homem é executado a tiros no centro de Belém
Últimas Notícias