Dólar Comercial compra R$ 3,9026 venda R$ 3,9046 máxima 3,9178
Euro compra R$ 4,4111 venda R$ 4,4127 máxima 4,4248
16 Dez - 12h34
domingo, 16 de dezembro de 2018

EDITORIAL

Exportar é só o que importa?

13 Jul 2018 - 11h30Por Roma

Os paraenses ficaram perplexos com o anúncio de que o governo renovou a concessão da Estrada de Ferro Carajás por mais 30 anos à mineradora Vale e que a empresa vai investir R$ 25 bilhões para expandir a ferrovia, estranhamente, nos Estados do Mato Grosso e Goiás e não no Estado do Pará.
No subsolo paraense, a multinacional explora oito minas de minério de ferro, incluindo a maior mina de ferro do mundo, localizada no município de Canaã dos Carajás, que começou a operar em 2017 e produz mais de 30 milhões de toneladas de ferro por ano. A Ferrovia Carajás tem 892 quilômetros, que ligam a mina de ferro, em Carajás, no sudeste paraense, ao porto de Ponta da Madeira, em São Luiz (MA).
Mas, por que o Conselho de Parcerias Públicas de Investimento da Presidência da República permitiu essa patacoada da Vale com o Pará? Logo a seguir ao anúncio estapafúrdio, o governo estadual, entidades empresariais paraenses reagiram com indignação e correm atrás de tentar reverter essa manobra da multinacional aliada ao planalto.
É importante analisarmos que apesar do minério paraense ser o carro-chefe das exportações da Vale, os investimentos da mineradora são ínfimos no Pará, se considerarmos os problemas econômicos e sociais que a exploração do minério paraense acarreta.
Um deles, é a ínfima compensação pela desoneração das exportações, implantadas a partir de 1996, quando o então presidente Fernando Henrique Cardoso, conseguiu convencer ao Congresso Nacional, que isenção de impostos para produtos semielaborados e não industrializados, como é o caso do minério de ferro, seria bom para o País. O objetivo da Lei Complementar 87, denominada de Lei Kandir, era incrementar as exportações, e, consequentemente a balança comercial brasileira. 
O Pará, contribui substancialmente com a balança comercial do Brasil, justamente por causa da mineração. Em 2017, o Pará foi quem mais contribuiu para o superávit da balança comercial brasileira com US$ 66,98 bilhões, o maior da história do País.
Porém, a isenção do Imposto Sobre Circulação de Mercadorias (ICMS), a principal fonte de arrecadação dos governos estaduais, 20 anos depois, continua mantendo a Lei Kandir e as mineradoras na lista das maiores vilãs das receitas dos estados exportadores, como o Pará.
 De todos os produtos exportados pelo Pará em 2017, o minério de ferro representou 53% e a mineração em geral foi responsável por 87% das exportações. Na contramão dessa grande contribuição, as perdas do Estado do Pará com a isenção de impostos para exportação já somam mais de R$ 67 bilhões. 
Já a Vale, obteve um estrondoso lucro líquido de R$ 17,6 bilhões em 2017, 32,4% acima do resultado financeiro da mineradora em 2016.
Há algo errado nessa equação e isso nem precisa ser economista ou matemático para entender.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Simone Gutierrez volta à TV com 46 quilos a menos
EM 2019

Simone Gutierrez volta à TV com 46 quilos a menos

há 2 minutos atrás
Simone Gutierrez volta à TV com 46 quilos a menos
Alexandre Rodrigues fala sobre seu trabalho de uber
O BUSCAPÉ

Alexandre Rodrigues fala sobre seu trabalho de uber

há 14 minutos atrás
Alexandre Rodrigues fala sobre seu trabalho de uber
Aeroporto de Belém recebe apresentações natalinas
CONFIRA A PROGRAMAÇÃO

Aeroporto de Belém recebe apresentações natalinas

há 28 minutos atrás
Aeroporto de Belém recebe apresentações natalinas
POUCAS E BOAS

Reforma da Previdência

há 34 minutos atrás
Bolsonaro está na lista das pessoas mais procuradas no Google em 2018
SEXTO COLOCADO

Bolsonaro está na lista das pessoas mais procuradas no Google em 2018

há 48 minutos atrás
Bolsonaro está na lista das pessoas mais procuradas no Google em 2018
Últimas Notícias