Dólar Comercial compra R$ 3,9026 venda R$ 3,9046 máxima 3,9178
Euro compra R$ 4,4111 venda R$ 4,4127 máxima 4,4248
16 Dez - 07h41
domingo, 16 de dezembro de 2018
POSSIBILIDADES

Em caso de eleição, Bolsonaro já tem nove nomes para os ministérios

09 Out 2018 - 15h40
Em caso de eleição, Bolsonaro já tem nove nomes para os ministérios - Crédito: Divulgação/Google Crédito: Divulgação/Google

Com a promessa de diminuir de 29 para 15 o número de Ministérios, o candidato à presidência, Jair Bolsonaro (PSL), já anunciou os possíveis nomes para ocupar a Esplanada.

O presidenciável já confirmou que, caso seja eleito, colocará o economista Paulo Guedes para assumir a Economia, que abarcaria Fazenda e Planejamento. Para a Casa Civil, o candidato deixou clara a preferência pelo deputado e coordenador da campanha, Onyx Lorenzoni (Dem-RS).

Com a redução dos ministérios, a Educação abarcaria também as pastas de Cultura e Esportes. Para presidir esse cargo, Bolsonaro optaria por Stravos Xanthopoylos, diretor de relações internacionais da Associação Brasileira de Educação a Distância (Abed) e ex-integrante da Fundação Getúlio Vargas (FGV).

O presidente do Hospital do Câncer de Barretos, Henrique Prata, é um nome cotado para o Ministério da Saúde. O deputado tem em seu histórico o destino de emendas parlamentares para o hospital. Outra possibilidade para a chefia da Saúde, é Nelson Teich, empresário e médico oncologista do Rio de Janeiro.

Jair Bolsonaro (PSL) tem preferência pelo general quatro estrelas da reserva, Osvaldo Ferreira, para comandar os Transportes. O militar tem coordenado uma série de reuniões em Brasília e comanda as propostas para infraestrutura.

Para a Defesa, outro general da reserva está cotado: Augusto Heleno, que mantém uma relação de proximidade com a família do presidenciável. Para comandar a Ciência e Tecnologia, o astronauta Marcos Pontes é um dos preferidos de Bolsonaro. Pontes é o segundo suplente do deputado Major Olímpio (PSL-SP), recém-eleito para o Senado.

O presidente interino do PSL, Gustavo Bebianno, é o mais cotado para assumir a Justiça. Ele é formado em direito pela PUC-Rio e comanda a estratégia jurídica da campanha. Outro possível nome é do advogado Antonio Pitombo.

Para o Ministério da Agricultura, que deve juntar-se ao Meio Ambiente, o ruralista Nabhan Garcia, presidente da União Democrática Ruralista (UDR), é o mais cotado. Garcia é amigo de longa data de Bolsonaro e está sempre presente no período de recuperação do presidenciável.

Apesar de alguns desses nomes já terem sido mencionados como ministros por Bolsonaro, o único anunciado é Guedes para comandar a equipe econômica. 

 

Com informações de UOL.

Deixe seu Comentário