Dólar Comercial compra R$ 3,9026 venda R$ 3,9046 máxima 3,9178
Euro compra R$ 4,4278 venda R$ 4,4284 máxima 4,4309
17 Dez - 07h37
segunda, 17 de dezembro de 2018
1º DEBATE ELEIÇÕES

Jair Bolsonaro e Guilherme Boulos trocam provocações

Os candidatos falaram até em bomba e debate "pegou fogo"

10 Ago 2018 - 05h58Por Da Redação
Jair Bolsonaro e Guilherme Boulos trocam provocações - Crédito: Aloisío Maurício/ Estadão Crédito: Aloisío Maurício/ Estadão

Em um debate que ficou marcado pelas poucas provocações entre os candidatos, Jair Bolsonaro (PSL) foi o presidenciável mais atacado no encontro desta quinta-feira (9) promovido pela Band. 

O deputado federal teve pelo menos dois momentos de trocas de acusações com o candidato do PSOL, Guilherme Boulos, e também teve declarações suas contestadas pelo senador Alvaro Dias (Podemos), sendo ironizado  por Ciro Gomes (PDT).

Logo na sua primeira pergunta da noite, Boulos se direcionou a Bolsoanaro com os dizeres de que o Brasil todo sabia que ele é "homofóbico", "machista" e "racista",  e que tornou a política um "negócio de família".

Sem demonstrar alteração, o presidenciável do PSL permaneceu sentado e disse que não invade as casas dos outros nem leva terror às cidades, referência ao fato de Boulos ser líder do MTST (Movimento de Trabalhadores Sem Teto).

Ao ser questionado por Boulos sobre a acusação de que emprega uma funcionária fantasma em Angra dos Reis (RJ), Bolsonaro disse que Walderice Santos da Conceição é uma "senhora humilde, trabalhadora" que ganha R$ 2 mil por mês. 

Jair Bolsonaro disse ainda, em tom ironico, que achava que tinha ido a tv debater sobre politíca nacional.

 "Eu não vim aqui para bater boca com um cidadão desqualificado", declarou o presidenciável, que foi chamado de "farinha do mesmo saco" e representante da velha política corrupta" e abriu mão do tempo integral de sua tréplica.

No quarto bloco, os dois voltaram a se enfrentar. Boulos disse que o capitão da reserva do Exército foi expulso da corporação "porque queria jogar bomba lá em algum lugar". Bolsonaro pediu direito de resposta - que não foi concedido porque ainda era o seu próprio período de falar - e negou a acusação do candidato do PSOL.

"Colocar bomba, colocava a tua ex-chefe Dilma Rousseff, que matou gente inclusive", rebateu Bolsonaro. Boulos pediu direito de resposta, alegando que a ex-presidente petista nunca foi sua chefe, mas a organização negou. 

 

 

 

 

Fonte: UOL

Deixe seu Comentário