Euro compra R$ 4,2798 venda R$ 4,2826 máxima 4,3017
Dólar Comercial compra R$ 3,7797 venda R$ 3,7809 máxima 3,7797
16 Nov - 08h47
sexta, 16 de novembro de 2018
ELEIÇÕES 2018

"Lava Jato não pode esperar o fim das eleições " declara procurador

14 Set 2018 - 08h47Por Da Redação
"Lava Jato não pode esperar o fim das eleições " declara procurador - Crédito: Gazeta do Povo Crédito: Gazeta do Povo

O procurador Deltan Dallagnol, um dos responsáveis pelas investigações da Operação Lava Jato disse, em uma entrevista ao Uol,  que as eleições não podem intervir nas investigaçãoes e que elas não podem parar.

"O Ministério Público deve agir no tempo das investigações e no tempo da justiça, não no tempo da política", disse o coordenador, que defendeu as ações e denúncias feitas por promotores e procuradores durante o período eleitoral.

A entrevista aconteceu na sede do Ministério Público Federal, em Curitiba, na segunda (10). Dallagnol e o procurador regional Carlos Fernando dos Santos Lima, receberam o Uol um dia antes da prisão de Beto Richa ( PSDB), ex-governador  e candidato ao senador do Paraná. 

Beto Richa foi preso após ação do MP estadual e de o político ter sido alvo de mandados de busca e apreensão em uma nova etapa da Lava Jato.

Ao ser questionado sobre se ações contra os presidenciáveis Fernando Haddad (PT) e Geraldo Alckmin (PSDB) não poderiam ser confundidas pela população com ações políticas, Dallagnol respondeu:  "A grande questão não é o momento da acusação, mas, sim, se a acusação é lastreada em provas que a sustentem. Essa é a questão que deve ser colocada em jogo", disse.

Haddad e Alckmin, foram alvo de investigações recentes de promotores e investigadores.

O corregedor-geral do CNMP (Conselho Nacional do Ministério Público) abriu um procedimento após uma reclamação contra as ações envolvendo Richa, Haddad e Alckmin promovidas pelos MPs de São Paulo e do Paraná. A Lava Jato não é alvo do procedimento.

"Se você esperar, você tá beneficiando aquela pessoa que pode ser acusada". Completou .

 

 

Com Informações de UOL.

 

 

 

 

Deixe seu Comentário