Dólar Comercial compra R$ 3,8555 venda R$ 3,8562 máxima 3,8840
Euro compra R$ 4,3314 venda R$ 4,3335 máxima 4,3551
19 Jun - 15h23
quarta, 19 de junho de 2019
PREOCUPAÇÃO

ONU sugere investigação de atos de violência nas eleições do Brasil

12 Out 2018 - 18h28Atualizado 12 Out 2018 - 20h01Por Da Redação
O mestre de capoeira Romualdo Costa: assassinado após discussão sobre política em bar - Crédito: Facebook/ReproduçãoO mestre de capoeira Romualdo Costa: assassinado após discussão sobre política em bar - Crédito: Facebook/Reprodução

A ONU mostrou profunda preocupação com o clima de violência nas eleições brasileiras e sugeriu que líderes políticos nacionais condenem explicitamente o que virem de errado. Numa declaração emitida nesta sexta-feira (12), em Genebra, o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos deixou claro que a situação do Brasil está sendo considerada como "delicada" pelo organismo internacional.

O acirramento da política em meio à disputa eleitoral tem desembocado em episódios de violência física, facada contra o candidato Jair Bolsonaro (PSL) e até um assassinato. Nos últimos dias, foram registrados no país diversos casos de agressão por motivação política. 

Na capital baiana, depois de se envolver em uma discussão na qual defendia o candidato petista, o mestre de capoeira Romualdo Rosário da Costa, foi assassinado a facadas dentro de um bar. 

Na ONU, o apelo é pelo respeito. "Condenamos qualquer ato de violência e pedimos investigações imparciais, efetivas e imediatas sobre tais atos", declarou a porta-voz do escritório da ONU, Ravina Shamdasani. 

"O discurso violento e inflamatório dessas eleições, especialmente contra LGBTI, mulheres, afrodescendentes e aqueles com visões políticas diferentes, é profundamente preocupante, especialmente dado os relatos de violência contra tais pessoas", disse Ravina. 

"Pedimos a líderes políticos e aqueles com influência a publicamente condenar qualquer ato de violência durante esse período eleitoral delicado, e a chamar a todos os lados para que se expressem de forma pacífica e com o total respeito pelo direito dos demais", completou a porta-voz. 

Com informações do Correio Braziliense.

Deixe seu Comentário