Dólar Comercial compra R$ 3,8732 venda R$ 3,874 máxima 3,9012
Euro compra R$ 4,4265 venda R$ 4,4289 máxima 4,4643
19 Dez - 12h45
quarta, 19 de dezembro de 2018
Vale
Vale
CULTURA

Belém é a capital da dança, aponta pesquisa

11 Ago 2018 - 08h34Por Lissa de Alexandria
Belém é a capital da dança, aponta pesquisa - Crédito: Divulgação Crédito: Divulgação

As festas populares e de dança são os eventos culturais mais frequentados pelos moradores da capital paraense. A constatação vem da pesquisa Cultura nas Capitais, apresentada nesta semana em Belém, por João Leiva, da JLeiva Cultura & Esporte, Ricardo Meirelles, da PrimaPágina, Marlene Treuk, do Datafolha e o convidado local, Ney Messias.

Desenvolvido pela JLeiva Cultura & Esporte, responsável pela análise dos dados, e pelo Datafolha, a cargo do levantamento de campo e processamento das informações, o estudo abordou 619 moradores de Belém, entre 14 de junho e 27 de julho de 2017, sobre suas práticas culturais ao longo dos 12 meses anteriores.

A pesquisa demonstra que Belém é a capital que mais frequenta eventos de dança entre as 12 metrópoles pesquisadas – dos entrevistados, 43% participaram desse tipo de atividade cultural, oito pontos acima da média nacional (35%).  

Foto: Lorena Magno

 

Outro índice que chamou atenção foi a frequência a festas populares em Belém, o segundo melhor entre as 12 capitais analisadas, atrás apenas de São Luís, no Maranhão, onde elas foram frequentadas por 64% da população local; a média nacional é de 42%. 

Dentre os eventos citados, as festas juninas tiveram a maior participação – 70% declararam ter participado. Em segundo lugar, estão os eventos de danças típicas regionais, como o Carimbó, o Boi Bumbá e o Arrastão do Pavulagem. 

Mídias sociais facilitaram o acesso à cultura, segundo a pesquisa, contudo, a efetivação desse acesso envolve dinheiro e escolaridade."Escolaridade sempre tem impacto positivo no acesso à cultura", afirmou João Leiva, que teve a concordância unânime da plateia. 

Dentre os fatores curiosos, destacam-se o interesse maior do público feminino, porém, tem menos acesso, enquanto que homens, mesmo casados, não deixam de realizar atividades culturais. "Ou seja, o acesso à cultura, reproduz o patriarcado", diz Leiva. Aliás, a pesquisa mostra que os casados vão menos a eventos culturais, não por não terem com quem deixar os filhos, por exemplo, mas por interpretarem o acesso à cultura como de significativa importância, mas terem dificuldade seja ela econômica ou de locomoção, e não conceberem a ideia de não realizar o passeio com os filhos. Uma das sugestões no encontro foi da adoção de espaços kids em espaços culturais.

Fatores como segurança, companhia e locomoção influenciam no acesso à cultura, assim como a carga horária do trabalhador, opinou uma participante, ítem a ser levado em consideração para as próximas pesquisas.

Espaços mais frequentados

Outro ponto abordado pelo estudo foram os espaços culturais mais conhecidos e frequentados. A Estação das Docas, que inclui o Teatro Maria Sylvia Nunes, liderou nos dois quesitos (96% conhecem e 76% já frequentaram). O segundo espaço mais conhecido é o Theatro da Paz (93%), que, no entanto, é apenas o quarto mais frequentado (57%), atrás do Museu Paraense Emílio Goeld (72% de frequência) e da Fundação Cultural do Pará (65%).

Dentro deste ítem, discutiu-se a forma como determinado evento ou a própria estrutura física do espaço é divulgada para a população, uma vez que são praticados preços não populares ou, apesar do evento ser gratuito, pessoas inseridas nas classes econômicas abaixo da C não se sentem convidadas a frequentar espaços tidos como elitizados para o consumo de cultura.

Pior acesso

No quesito "pior acesso", Belém está negativa com o acesso ao cinema e também é destacada por atender idosos pior do que outras cidades.

Livro e plataforma digital interativa

 Os dados detalhados e as principais conclusões da pesquisa estão compilados na publicação Cultura nas Capitais: como 33 milhões de brasileiros consomem diversão e arte. O livro contém 180 infográficos e análises assinadas por especialistas de 15 temas abrangidos pelo estudo: Tempo livre, Acesso e Prática, Educação, Renda, Gênero, Idade, Religião, Cor da Pele, Cultura e Tecnologia, Música, Artes Visuais, Artes Cênicas, Audiovisual, Políticas Públicas e Cidades.

Todas essas informações estão também disponíveis para acesso público e gratuito no site:http://www.culturanascapitais.com.br. A plataforma interativa permite ainda o cruzamento livre de dados compilados, servindo como importante ferramenta de análise para o usuário.

Cultura nas Capitais é uma realização da JLeiva Cultura & Esporte, do Ministério da Cultura, do Governo Federal e do Governo do Estado de São Paulo, com patrocínios do Instituto CCR e da Braskem e apoio da ProAc ICMS do Estado de São Paulo, da Lei de Incentivo à Cultura do Ministério da Cultura e da Fundação Roberto Marinho.

Com informações da assessoria

Deixe seu Comentário

Leia Também

Veja a primeira imagem de Jasmine e do Gênio no live-action
ALADDIN

Veja a primeira imagem de Jasmine e do Gênio no live-action

há 45 minutos atrás
Veja a primeira imagem de Jasmine e do Gênio no live-action
Psica Festival mistura tribos em Belém
MÚSICA

Psica Festival mistura tribos em Belém

19/12/2018 11:00
Psica Festival mistura tribos em Belém
Aprenda receita de Wrap integral
RECEITA

Aprenda receita de Wrap integral

19/12/2018 10:00
Aprenda receita de Wrap integral
Último dia da campanha de financiamento coletivo para reedição da obra de Dalcídio Jurandir
RELANÇAMENTO

Último dia da campanha de financiamento coletivo para reedição da obra de Dalcídio Jurandir

19/12/2018 09:00
Último dia da campanha de financiamento coletivo para reedição da obra de Dalcídio Jurandir
Conheça a moda que reutiliza peças e já chegou na alta costura
UPCYLING

Conheça a moda que reutiliza peças e já chegou na alta costura

19/12/2018 08:00
Conheça a moda que reutiliza peças e já chegou na alta costura
Últimas Notícias