Dólar Comercial compra R$ 3,9026 venda R$ 3,9046 máxima 3,9178
Euro compra R$ 4,4111 venda R$ 4,4127 máxima 4,4248
16 Dez - 13h13
domingo, 16 de dezembro de 2018
Vale
Vale
CASO SÉRIO

Saúde mental assombra mundo do K-pop

11 Ago 2018 - 08h53
Saúde mental assombra mundo do K-pop - Crédito: Jean Chung/Getty Images Crédito: Jean Chung/Getty Images

A perda repentina de Kim Dong Yoon, 20, no fim de julho, foi mais um sinal alarmante de que algo não está bem no mundo do k-pop. Quando as causas de sua morte forem esclarecidas, é provável que o rapper do grupo Spectrum se junte à crescente lista de expoentes do pop coreano que perderam a vida cedo demais por razões ligadas à saúde mental.

Foram três mortes em um período de menos de sete meses: em dezembro, Kim Jong-hyun, principal vocalista do grupo SHINee, suicidou-se aos 27 anos; e Seo  Min-woo, líder do 100%, morreu em maio, após uma parada cardíaca possivelmente causada por overdose. Outros integrantes desse universo também tiveram que se afastar dos holofotes no último ano para tratar depressão, anorexia e dependência química.

É alto o número de artistas que se suicidaram na Coreia do Sul desde meados dos anos 2000, quando o país passou a investir fortemente na indústria do entretenimento. Uma pesquisa realizada em 2010 pela atriz Park Jin-hee para seu mestrado indicava que 40% de seus pares sofriam de depressão e 20% já haviam comprado agentes tóxicos ou outros "dispositivos" para o suicídio.

Padrão

O preparo de um artista de k-pop envolve trabalho intenso e moldar seu estilo de vida, comportamento e aparência. Até 2009, quando o governo sul-coreano começou a regular os contratos, as agências podiam transformar os artistas praticamente em escravos, submetendo-os a cláusulas rígidas.

Não se posicionar politicamente também faz parte das regras, o que inclui falar sobre sexualidade. "No caso do integrante do SHINee que se suicidou, especula-se que ele era homossexual e não podia falar sobre a homossexualidade, porque falar sobre a orientação sexual seria um ato político e você não pode expressar isso, de acordo com o contrato da banda. Então, a pressão é muito grande", aponta Thiago Mattos, mestre em relações internacionais e especialista em Leste Asiático, que trabalha para a embaixada do Brasil na Coreia do Sul.

Todos esses fatores podem se combinar para fragilizar a saúde mental desses artistas.

Ainda é um tabu para os sul-coreanos falarem abertamente sobre depressão e ansiedade, contudo, artistas já afirmaram sofrer com a pressão.

Reportagem completa: https://www.uol/entretenimento/especiais/suicidios-no-k-pop.htm#tematico-1

Fonte: Natalia Engler/UOL

Deixe seu Comentário

Leia Também

Torta de leite condensado com creme de avelã zero açúcar
SOBREMESA

Torta de leite condensado com creme de avelã zero açúcar

16/12/2018 10:00
Torta de leite condensado com creme de avelã zero açúcar
Animação japonesa será exibida gratuitamente no Líbero
CINEMA

Animação japonesa será exibida gratuitamente no Líbero

16/12/2018 09:41
Animação japonesa será exibida gratuitamente no Líbero
São José Liberto encerra programação cultural de 2018
HOJE

São José Liberto encerra programação cultural de 2018

16/12/2018 09:36
São José Liberto encerra programação cultural de 2018
Documentário sobre Elza Soares fica em cartaz até dia 19
NO LÍBERO

Documentário sobre Elza Soares fica em cartaz até dia 19

16/12/2018 09:28
Documentário sobre Elza Soares fica em cartaz até dia 19
Encontro estimula a dança na capital paraense
DANÇA BELÉM

Encontro estimula a dança na capital paraense

16/12/2018 09:12
Encontro estimula a dança na capital paraense
Últimas Notícias