Dólar Comercial compra R$ 5,3237 venda R$ 5,3246 máxima 5,3939
Euro compra R$ 6,0147 venda R$ 6,0179 máxima 6,086
11 Jul - 12h05
sábado, 11 de julho de 2020
Basa Sua Conta
Basa Sua Conta
RIO 2016

Ministério Público Federal vai investigar denúncias de fraude em licitações do COB

03 Dez 2019 - 20h32Atualizado 03 Dez 2019 - 20h33
Ministério Público Federal vai investigar denúncias de fraude em licitações do COB -

O Ministério Público Federal entrou nesta terça-feira com uma representação para investigar denúncias de fraudes em processos de licitação na gestão de Paulo Wanderley Teixeira à frente do COB (Comitê Olímpico do Brasil). A decisão aconteceu após o MPF ter o conhecimento do relatório da empresa norte-americana Kroll, especializada em investigações privadas, contratada pelo próprio COB após uma denúncia anônima apontar indícios de contratações fraudulentas de serviços de tecnologia da informação feitos pelo Comitê. Os supostos desvios envolvem dinheiro público.

O procurador Leandro Mitidieri, coordenador do Grupo de Trabalho Olimpíadas 2016 do MPF, criado para apurar irregularidades em contratos do megaevento e que segue em atividade, confirmou a representação para dar início a um inquérito federal.

- Devido à natureza federal dos recursos da Lei Agnelo/Piva, o Grupo de Trabalho Olimpíadas do MPF apresentou representação para apurar as irregularidades noticiadas sobre a atual gestão do COB - disse.

A Kroll, contratada pela gerência de conformidade do COB para investigar o caso após denúncias anônimas, afirma no relatório que há indícios de fraude em dois processos de licitação e que serviços contratados e pagos pelo COB não foram, de fato, prestados. O relatório, que é confidencial, também assinala que houve irregularidade na contratação de Leonardo Rosário, gerente executivo do Comitê, que teria atuado como articulador do esquema dentro de COB. A maior fonte de recursos do COB atualmente é a Lei Agnelo Piva, que destina à entidade porcentual da arrecadação bruta de loterias federais para que ela seja repassada a confederações olímpicas; outra parte é administrada pelo próprio Comitê.

No documento, a empresa norte-americana expõe como Rosário usou empresas ligadas diretamente a ele (uma delas chamada de RDWEB) para fraudar concorrências no valor de R$ 1,2 milhão. Outro funcionário do COB citado no relatório é Everson Montibeller, também empregado do COB, sócio da RDWEB. A RDWEB foi declarada vencedora em licitação para confeccionar um sistema integrado de gerenciamento para as confederações, de nome Sisconf.

Todos os envolvidos, empresas e personagens, são provenientes de Vitória (ES), onde Paulo Wanderley Teixeira atuou ao longo de sua carreira esportiva e como dirigente – antes de se tornar mandatário do COB, ele foi presidente da CBJ (Confederação Brasileira de Judô).

Para entender a motivação do COB para contratar a Kroll a fim de promover uma investigação interna, é preciso recuar alguns meses. Em meados de maio, um anônimo passou a enviar e-mails para funcionários do comitê em que denunciava fraudes promovidas por uma “Quadrilha de Vitória no Comitê Olímpico Brasileiro”. William Evangelista, ex-gerente de compliance do COB, foi demitido depois que tentou levar adiante as alegações.

Na mesma mensagem, o texto apócrifo também afirma que aquelas acusações foram encaminhadas ao Ministério Público do Estado do Rio. A reportagem apurou que um processo foi aberto no órgão, mas ele corre em sigilo.

Agora, o Ministério Público Federal também vai apurar as insinuações. O Grupo de Trabalho Olimpíadas da Procuradoria da República no Rio de Janeiro atua para assegurar a correção na utilização dos recursos públicos federais e foi criado por causa do megaevento, que exigiu recursos dos três entes de governo para ser realizado. O órgão mantém sua função até hoje e pode investigar casos de desvios com verba pública, como pode ser o caso COB/Kroll.

A Kroll afirma que coletou computadores de Leonardo Rosário e Everson Montibeller. Após análise do equipamento, o de Rosário estava vazio, o que pode indicar deleção dos arquivos ou pouco uso. Três dias depois da instalação de um dispositivo de monitoramento no computador de Rosário, ele acabou formatado. Isso atrasou a confecção de um relatório final da empresa norte-americana.

Envie denúncias, informações, vídeos e imagens para o Whatsapp do Portal Roma News
(91) 99385-1113ou clique aqui e fale conosco

Deixe seu Comentário

Leia Também

Wallace comenta as dificuldades do retorno aos jogos e garante: 'Entrosamento não está faltando'
GRUPO UNIDO

Wallace comenta as dificuldades do retorno aos jogos e garante: 'Entrosamento não está faltando'

há 11 minutos atrás
Wallace comenta as dificuldades do retorno aos jogos e garante: 'Entrosamento não está faltando'
Bruno Souza vence americano no LFA e se aproxima do UFC
CHEGANDO LÁ!

Bruno Souza vence americano no LFA e se aproxima do UFC

11/07/2020 10:56
Bruno Souza vence americano no LFA e se aproxima do UFC
Paraense Deiveson Figueiredo testa positivo para covid-19 e tem presença incerta na Ilha da Luta
EM CIMA DA HORA

Paraense Deiveson Figueiredo testa positivo para covid-19 e tem presença incerta na Ilha da Luta

11/07/2020 09:13
Paraense Deiveson Figueiredo testa positivo para covid-19 e tem presença incerta na Ilha da Luta
CBF quer Brasil x Bolivia na Arena Corinthians
EM OUTUBRO

CBF quer Brasil x Bolivia na Arena Corinthians

11/07/2020 08:35
CBF quer Brasil x Bolivia na Arena Corinthians
Live solidária arrecada alimentos para funcionários de Remo e Paysandu
FAÇA SUA DOAÇÃO

Live solidária arrecada alimentos para funcionários de Remo e Paysandu

11/07/2020 05:00
Live solidária arrecada alimentos para funcionários de Remo e Paysandu
Últimas Notícias