Alepa News: Alepa aprova inclusão de portadores de linfedemas na classificação de PCDs

O Projeto de Lei n° 79/2022, do deputado Fábio Figueiras, dispõe sobre a inclusão de pessoas com disfunções linfáticas primárias ou secundárias, como pessoa com deficiência, no Pará. O linfedema, popularmente conhecido por “elefantíase”, é definido como um acúmulo de líquido, eletrólitos e proteínas no...

Publicado em 23 de setembro de 2023 às 10:30

O Projeto de Lei n° 79/2022, do deputado Fábio Figueiras, dispõe sobre a inclusão de pessoas com disfunções linfáticas primárias ou secundárias, como pessoa com deficiência, no Pará. O linfedema, popularmente conhecido por 'elefantíase', é definido como um acúmulo de líquido, eletrólitos e proteínas no espaço intersticial, ocorrendo por desenvolvimento anormal ou lesão linfática funcional ou mecânica de alguma estrutura do sistema linfático (vasos linfáticos ou linfonodos). Sua instalação leva ao aumento do volume e peso de extremidades ou outras regiões do corpo e a consequente deformidade funcional do membro.

Quando ocorre no nascimento, devido a síndromes de má formação, ou no período gestacional, é denominado linfedema primário, que é todo aquele de origem genética, hereditário ou não, ocasionado por má formação linfática. Ele pode se manifestar em qualquer idade, sendo classificado como congênito (ao nascimento), precoce (durante a puberdade até a idade adulta) ou tardio (no período da maturidade em diante).

Já o linfedema secundário é aquele decorrente de algum trauma, infecção, procedimento cirúrgico, radioterapia, quimioterapia, filariose, alterações venosas e hormonais, nas síndromes metabólicas e de imobilidade, nas doenças reumatológicas e dermatológicas e após queimaduras. Quando ocorre por evolução do câncer, recidiva ou carcinomatose inflamatória, é definido como linfedema maligno.

'Uma vez instituído o linfedema, este se caracteriza como uma condição crônica, progressiva, incapacitante e incurável, podendo evoluir com quadros infecciosos, inflamatórios, de aumento do tecido gorduroso local, aumento do peso do membro(s) afetado(s) e restrição dos movimentos, repercutindo em importantes alterações funcionais e biopsicossociais', diz a justificativa da proposição.

Texto: Andrea Santos/ Alepa Divulgação.