Dólar Americano/Real Brasileiro compra R$ 5,461 venda R$ 5,462 máxima 5,5139
Euro/Real Brasileiro compra R$ 6,3352 venda R$ 6,3385 máxima 6,4074
17 Out - 08h38
domingo, 17 de outubro de 2021
LIDER - MELHOR LAVAD - DESK - 08, 17 E 26/10 - 04/11
LIDER - MELHOR LAVAD - DESK - 08, 17 E 26/10 - 04/11
PUBLIEDITORIAL

Setor florestal madeireiro vive crise que pode ser irreversível

IBAMA-PA não consegue autorizar exportações de forma ágil e prejuízos bilionários se acumulam para o setor

01 Out 2021 - 17h52Atualizado 01 Out 2021 - 18h20
Produtos de madeira aguardam há cerca de 100 dias para serem exportados - Crédito: DivulgaçãoProdutos de madeira aguardam há cerca de 100 dias para serem exportados - Crédito: Divulgação
As exportações de madeira estão paradas há cerca de 100 dias no Pará. Praticamente nenhuma carga saiu do Estado para o exterior nesse período e centenas de contêineres carregados se acumulam nos portos e agora até mesmo nos pátios de dezenas de empresas.
 
O cenário é trágico, mas o pior de tudo é que não é possível afirmar quando a situação se resolverá, restando um mar de indefinições e profunda crise para todo um setor econômico. A única certeza é que, se nada for feito, o atual cenário pode ser irreversível.
 
O grande entrave, que vem causando todo esse transtorno, decorre das emissões de um documento chamado Autorização de Exportação (AE) por parte do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) sediado no Pará.
 
Durante todo esse período, o órgão ambiental não está conseguindo dar vazão aos diversos pedidos de exportação que chegam, pois não tem estrutura física e de pessoal, assim como não há um sistema ágil e integrado onde esses pedidos podem ser realizados. E a cada dia, novos pedidos de autorização chegam, criando um gargalo difícil de se resolver.
 
 
Mais de mil contêineres aguardam a liberação para chegarem a seus destinos (Divulgação)
 
Mas, afinal o que é a Autorização de Exportação?
 
A Autorização de Exportação é um antigo documento existente entre os necessários à exportação, que se tornou um instrumento ultrapassado e desnecessário após a criação do Documento de Origem Florestal (DOF) Exportação, que o substituiu fazendo o controle eletrônico das cargas e ainda de forma integrada ao Siscomex, o Sistema de Comércio Exterior, do Governo Federal.
 
No entanto, em maio desse ano, uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) determinou a volta da exigência do certificado para a exportação. Como se trata de um procedimento obsoleto, realizado de forma manual e que incide sobre todas as cargas, o Ibama não possui estrutura para atender toda essa demanda, com sistemas não preparados e falta de procedimentos para sua elaboração, o que culminou no acúmulo de produtos em contêineres nos pátios dos portos, custos adicionais de armazenamento e a queda abrupta nas exportações e receita.
 
É preciso ressaltar, ainda, que o que se questiona não é a decisão do STF. Ela está em vigor e deve ser cumprida, mas é extremamente urgente que se encontre meios também de não prejudicar toda uma cadeia produtiva, que emprega milhares de pessoas e contribui com milhões de reais para a economia do Estado. Aliás, um setor que atua de forma sustentável e dentro da legalidade, mas que foi atingido duramente de uma hora para outra e cuja resolução do problema já está fora de suas mãos. Situação pode ser irreversível
 
Nos quase 100 dias em que já dura o atraso na concessão das autorizações de exportação, o setor calcula prejuízos bilionários. Estima-se que há mais de 1.000 contêineres carregados nos portos, o que ainda gera o pagamento diário de armazenamento, ou no próprio pátio das empresas. Enquanto isso, muitos clientes no exterior já cancelaram contratos, representando um dano à imagem do Pará no comércio exterior que ainda nem é possível estimar. Essa paralisia pode trazer prejuízos que chegam a R$ 1 bilhão. Centenas de empresas paraenses já concederam férias coletivas aos seus funcionários e, em caso de persistência da situação, o próximo passo é iniciar um processo de demissões em massa e fechamento de empresas.
 
 
Prejuízos pelo atraso na emissão das autorizações de exportação podem chegar a R$ 1 bilhão (Divulgação)
 
Para representante do setor, a solução correta seria concentrar o controle no DOF Exportação, pois ele foi criado para isso e é um instrumento em pleno funcionamento, porém, caso persista a decisão judicial, é preciso urgentemente que o Ibama unifique esse procedimento em um sistema ágil e que funcione corretamente, além de padronizar o rito de análise, para que seja transparente e seguro e garanta a exportação dos produtos madeireiros.

Envie denúncias, informações, vídeos e imagens para o Whatsapp do Portal Roma News
(91) 98547-6589ou clique aqui e fale conosco

Deixe seu Comentário

Leia Também

Marmobraz inaugura loja em Castanhal
CONTEÚDO PATROCINADO!

Marmobraz inaugura loja em Castanhal

15/10/2021 18:28
Marmobraz inaugura loja em Castanhal
Objetos que contam a história e a cultura do Pará
CONTEÚDO PATROCÍNADO

Objetos que contam a história e a cultura do Pará

13/10/2021 10:53
Objetos que contam a história e a cultura do Pará
Presidente da ANJ comemora Nobel da Paz para jornalistas: 'Um tributo à verdade'
ARTIGO

Presidente da ANJ comemora Nobel da Paz para jornalistas: 'Um tributo à verdade'

11/10/2021 17:36
Presidente da ANJ comemora Nobel da Paz para jornalistas: 'Um tributo à verdade'
Documentar a identidade e a rica cultura paraense
PUBLIEDITORIAL

Documentar a identidade e a rica cultura paraense

06/10/2021 12:00
Documentar a identidade e a rica cultura paraense
Roma Incorporadora apresenta o Number One, sinônimo de requinte e conforto; assista
EMPREENDIMENTO

Roma Incorporadora apresenta o Number One, sinônimo de requinte e conforto; assista

29/09/2021 19:30
Roma Incorporadora apresenta o Number One, sinônimo de requinte e conforto; assista
Últimas Notícias