Dólar Comercial compra R$ 4,1083 venda R$ 4,1091 máxima 4,117
Euro compra R$ 4,5668 venda R$ 4,5693 máxima 4,596
13 Dez - 18h24
sexta, 13 de dezembro de 2019
Unique
Unique_mobile
POR UNANIMIDADE

Anvisa libera registro e comercialização de medicamentos à base de maconha em farmácias

03 Dez 2019 - 12h34Atualizado 03 Dez 2019 - 17h16
Anvisa libera registro e comercialização de medicamentos à base de maconha em farmácias - Crédito: Reprodução Crédito: Reprodução

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou, nesta terça-feira, 3, por unanimidade, a regulamentação do registro e da venda de medicamentos à base de cannabis em farmácias e drogarias no Brasil. A norma entrará em vigor em 90 dias e, segundo a agência, deve melhorar vida de milhões de pacientes que dependem desses medicamentos.

Os diretores da agência iniciaram, ainda nesta manhã, uma segunda votação, que discute a liberação do plantio da maconha no território brasileiro para uso medicinal.

A decisão cria uma nova classe de produtos no mercado de medicamentos do Brasil: a de produtos à base de cannabis, termo que vem sendo utilizado internacionalmente. A proposta aprovada elenca os requisitos necessários para a regularização dos medicamentos à base de maconha no País, estabelecendo parâmetros de qualidade.

A Resolução da Diretoria Colegiada (RCD) deverá passar por uma reavaliação em até três anos. Segundo a proposta aprovada pela Anvisa, as empresas não devem abandonar as pesquisas de comprovação de eficácia e segurança das formulações, uma vez que as propostas para produtos à base de cannabis se assemelham aos procedimentos dos medicamentos tradicionais.

O regulamento aprovado exige que a empresa interessada em fabricar medicamentos a base de maconha tenha autorizações de funcionamento específicas, além de certificado de boas práticas de fabricação emitido pela Anvisa.

A proposta aprovada prevê que os medicamentos à base de cannabis devem ser vendidos exclusivamente em farmácias ou drogarias, mediante a apresentação de receita médica. Os fabricantes que optarem por importar o substrato da cannabis para fabricação do produto deverão, segundo a Anvisa, realizar a importação da matéria prima semielaborada. Ou seja, a empresa não pode importar a planta ou parte dela.

Fonte: Estadão.

Envie denúncias, informações, vídeos e imagens para o Whatsapp do Portal Roma News
(91) 99385-1113ou clique aqui e fale conosco

Deixe seu Comentário

Leia Também

Laudos apontam que jovens mortos em Paraisópolis tiveram traumas condizentes com pisoteamento
RESULTADO DOS EXAMES

Laudos apontam que jovens mortos em Paraisópolis tiveram traumas condizentes com pisoteamento

13/12/2019 16:35
Laudos apontam que jovens mortos em Paraisópolis tiveram traumas condizentes com pisoteamento
Quase 80% dos brasileiros acreditam que democracia não funciona bem no país
SEGUNDO PESQUISA

Quase 80% dos brasileiros acreditam que democracia não funciona bem no país

13/12/2019 16:30
Quase 80% dos brasileiros acreditam que democracia não funciona bem no país
UFRB afasta aluno denunciado por racismo de prédio da universidade
NA BAHIA

UFRB afasta aluno denunciado por racismo de prédio da universidade

13/12/2019 16:25
UFRB afasta aluno denunciado por racismo de prédio da universidade
Área sob alerta de desmatamento na Amazônia aumenta mais de 80% em novembro, aponta o Inpe
FLORESTA NO CHÃO

Área sob alerta de desmatamento na Amazônia aumenta mais de 80% em novembro, aponta o Inpe

13/12/2019 16:06
Área sob alerta de desmatamento na Amazônia aumenta mais de 80% em novembro, aponta o Inpe
Nova lei elimina multa de 10% pagas pelas empresas ao governo em demissões sem justa causa
DEMISSÕES

Nova lei elimina multa de 10% pagas pelas empresas ao governo em demissões sem justa causa

13/12/2019 15:27
Nova lei elimina multa de 10% pagas pelas empresas ao governo em demissões sem justa causa
Últimas Notícias