Dólar Americano/Real Brasileiro compra R$ 5,2329 venda R$ 5,235 máxima 5,234
Euro/Real Brasileiro compra R$ 6,3611 venda R$ 6,3642 máxima 6,3734
09 Mai - 22h35
domingo, 09 de maio de 2021
ALUBAR - COND ENERGIA - DESK - 07.05 a 07.06
LIDER - MELHOR A CASA E SUA SOFA AZUL - MOB - 09, 18 e 27/05
MEIO AMBIENTE

Bioeconomia tem que sair do papel, afirma Ricardo Salles

Ministro foi o primeiro convidado da Semana Nacional das Comunicações

03 Mai 2021 - 21h32Atualizado 03 Mai 2021 - 21h32
Bioeconomia tem que sair do papel, afirma Ricardo Salles - Crédito: Marcello Casal Jr/Agência Brasil Crédito: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, falou hoje (3) sobre o papel da bioeconomia na região amazônica e sobre a capacidade de mudança social que o Brasil pode ganhar com ajustes na atividade econômica no Amazonas.

Segundo o ministro, para reverter o cenário de atividade exploratória no Norte do país, a regularização fundiária e o zoneamento econômico ecológico devem ser priorizados. Salles argumenta que a região necessita de um “plano diretor” - uma forma estruturada de organização e planejamento que vai além dos aspectos territoriais e financeiros.

“Precisamos tirar do papel essa ideia da bioeconomia para ajudar a gerar emprego e renda para os 23 milhões de brasileiros que foram deixados para trás na Amazônia - a região mais rica do Brasil em termos de recursos naturais, porém com uma população que vive com os piores índices de desenvolvimento humano”, afirmou o ministro em entrevista à Voz do Brasil.

Tecnologia e meio ambiente

Convidado especial da Semana Nacional das Comunicações, o ministro do Meio Ambiente falou sobre como a nova geração de internet móvel - o 5G, que deverá ser leiloado ainda no primeiro semestre de 2021 - poderá influenciar nas políticas de proteção ambiental.

Para o ministro, uma combinação de recursos tecnológicos e de atuação física nos locais de preservação contribuem para o meio ambiente. “Temos uma boa estrutura. Nós utilizamos diversas fontes de dados, dentre eles satélites nacionais e do exterior também. O importante é termos não só tecnologia, mas capacidade de atuação. São coisas que se complementam”, explicou.

Salles lembrou do lançamento do satélite Amazonia 1, que além de benefícios tecnológicos para o Programa Espacial Brasileiro, monitora constantemente focos de incêndio e de desmatamento na ampla região de florestas brasileiras.

Wifi nos parques

Segundo o ministro, outro aspecto importante do leilão do 5G é a ampliação do sinal 4G em áreas remotas - o que permitirá que o sinal alcance parques e reservas ecológicas com mais facilidade, o que deve incentivar e facilitar o turismo nessas regiões. 

A iniciativa também é prevista no programa Conecta Parques, que deve beneficiar 10 milhões de visitantes, segundo o ministério. “As pessoas querem visitar os parques e tirar fotos, mandar para a família, para os amigos, subir nas redes sociais. É importante que isso tenha uma boa cobertura.”

Acordos internacionais

O ministro afirmou que acredita que haverá benefícios com a nova tecnologia também para os estudos que envolvem o mapeamento da fauna e flora e o patrimônio genético brasileiro. “O Brasil fez a ratificação do protocolo de Nagoya, que permite que o Brasil consiga utilizar a biodiversidade e também terceiros possam utilizá-la. Para tudo isso acontecer dentro das regras, a tecnologia é fundamental.”

Sobre a Cúpula de Líderes para o Clima, Salles afirmou que o Brasil não pode ser classificado como “vilão ambiental”, e que as solicitações e acordos internacionais também devem oferecer contrapartidas para lidar com os problemas de preservação internos.

“O Brasil está longe de ser um vilão ambiental. Temos 84% da Amazônia preservada. 66% da vegetação nativa está preservada. Temos um código florestal que nenhum outro país tem. Assinamos o Protocolo de Kyoto, que prevê ações para o clima, e recebemos apenas um terço do que foi prometido”, explicou.

O ministro informou que o Brasil possui ativos não creditados em acordos e parcerias internacionais, e esclareceu que o país tem pouca contribuição na mudança climática. 

“Temos uma série de ativos que o Brasil não recebeu. Somos chamados para ajudar no problema das mudanças climáticas - que não é da nossa participação. Somos apenas 3% das emissões, os outros países têm muito mais. Se ajudamos a resolver o problema da mudança climática, que não é causado por nós, também queremos que nos ajudem a resolver o problema do desmatamento”, argumentou.

 

Fonte: Agência Brasil

Envie denúncias, informações, vídeos e imagens para o Whatsapp do Portal Roma News
(91) 98469-4559ou clique aqui e fale conosco

Deixe seu Comentário

Leia Também

Média de mortes por covid recua 14,7%; Brasil registra 11 dias consecutivos de queda
REDUÇÃO

Média de mortes por covid recua 14,7%; Brasil registra 11 dias consecutivos de queda

há 14 minutos atrás
Média de mortes por covid recua 14,7%; Brasil registra 11 dias consecutivos de queda
Presidente da CPI da Covid, Aziz afirma que Queiroga será reconvocado para depor
ABAIXO DA EXPECTATIVA

Presidente da CPI da Covid, Aziz afirma que Queiroga será reconvocado para depor

há 55 minutos atrás
Presidente da CPI da Covid, Aziz afirma que Queiroga será reconvocado para depor
Boris Johnson vai suspender restrições à pandemia no Reino Unido
REABERTURA

Boris Johnson vai suspender restrições à pandemia no Reino Unido

09/05/2021 21:20
Boris Johnson vai suspender restrições à pandemia no Reino Unido
Brasil chega a 15 milhões de casos e 422 mil mortes por covid-19
BALANÇO

Brasil chega a 15 milhões de casos e 422 mil mortes por covid-19

09/05/2021 20:50
Brasil chega a 15 milhões de casos e 422 mil mortes por covid-19
Homem leva tiro no peito após ser confundido com peru durante caça
NOS EUA

Homem leva tiro no peito após ser confundido com peru durante caça

09/05/2021 20:30
Homem leva tiro no peito após ser confundido com peru durante caça
Últimas Notícias