Dólar Comercial compra R$ 3,7335 venda R$ 3,7342 máxima 3,7545
Euro compra R$ 4,3212 venda R$ 4,3248 máxima 4,3877
16 Out - 02h47
terça, 16 de outubro de 2018
Maxima
sebrae_111018_mobile
PRA BEBEMORAR

Cervejas artesanais brasileiras são reconhecidas internacionalmente

11 Ago 2018 - 21h17
Cervejas artesanais brasileiras são reconhecidas internacionalmente - Crédito: Cervejaria artesanal - (José Cruz/Agência Brasil) Crédito: Cervejaria artesanal - (José Cruz/Agência Brasil)

O sucesso internacional de um estilo de cerveja cuja fórmula foi desenvolvida no Brasil é responsável pelo bom momento vivido pelas cervejarias artesanais no país. Desenvolvida por produtores de Santa Catarina a partir de um dos mais tradicionais estilos da Alemanha, a Berliner Weisse, a chamada Catharina Sour é a primeira receita tipicamente brasileira incluída no catálogo da Beer Judge Certification Program (BJPC).

Considerada uma das principais organizações mundiais de certificação de juízes cervejeiros, a BJPC publica um guia de estilos da bebida que serve de parâmetro para os produtores caseiros, artesanais e industriais. Com o reconhecimento da Catharina Sour, fabricantes de todo o mundo poderão inscrever seus produtos em concursos que julgam a qualidade da bebida. Em 2016, uma das primeiras cervejarias brasileiras a apostar na fórmula, a Blumenau, faturou uma medalha de prata no Prêmio Internacional de Cerveja da Austrália, uma das mais importantes competições da atualidade.

Levemente ácida e com acentuado sabor de frutas que pode lembrar um espumante, a Catharina Sour começou a ser testada comercialmente entre os anos de 2014 e 2016, quando as microcervejarias e importadoras já se destacavam por conquistar crescente espaço no mercado cervejeiro nacional. Esse mercado, segundo a Associação Brasileira da Indústria da Cerveja (CervBrasil), só fica atrás da China e dos Estados Unidos quando considerada a produção das grandes fabricantes brasileiras. De acordo com a entidade, a produção nacional total já ultrapassa os 14,1 bilhões de litros anuais.

O segmento das chamadas cervejas especiais (artesanais, importadas e `premium´) cresceu em consequência dos bons resultados da economia brasileira em anos recentes, principalmente entre consumidores das classes A e B, que, conforme lembra Lapolli, experimentaram uma mudança no padrão de consumo que favoreceu diversos segmentos. O Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) estima que, entre 2012 e 2014, as cervejas especiais ampliaram sua fatia de mercado de 8% para 11%.

Cervejarias

O número de cervejarias artesanais em atividade é incerto. Responsável por autorizar o funcionamento desses empreendimentos, o Ministério da Agricultura não faz distinção entre o porte das empresas. No fim de 2017, havia 679 cervejarias registradas no ministério – número 37,7% superior aos 493 registros de 2016.

Produtores

Porteiro de um condomínio de Santos (SP), Alcemir Emmanuel e o jornalista e produtor musical Eugênio Martins Júnior decidiram aprender a fazer sua própria cerveja ao perceber que as marcas populares já não os satisfazia. Com o tempo, perceberam que a receita agradava os amigos. Enxergaram uma oportunidade e decidiram arriscar. Sem recursos financeiros, obtiveram um investimento de R$ 12 mil de uma startup e registraram a marca Cais, nome alusivo ao Porto de Santos.

O servidor público brasiliense Fábio Bakker também não consegue viver exclusivamente do negócio aberto com outros dois amigos, mas afirma já ter outras compensações. “A atividade ainda não me sustenta, mas quando me perguntam o que eu faço, me identifico como cervejeiro. Porque isso é algo que faço por gosto, que está associado à produção artesanal, à valorização dos produtos, sabores e da cultura local”, declarou Bakker, que, por formação, é engenheiro florestal.

Para lançar a marca Criolina (nome de uma conhecida festa de Brasília, produzida por um dos sócios) em 2015, Bakker e os amigos investiram cerca de R$ 150 mil. Também começaram como “ciganos”, ou seja, terceirizando a produção para outros microfabricantes. Hoje, estão em 43 pontos de venda do Distrito Federal, além de Goiânia (GO), Palmas (TO), além de uma rede de supermercados. Com o sucesso, planejam investir mais R$ 800 mil para equipar o galpão onde já realizam eventos com todo o equipamento necessário para produzir em parceria com outras marcas. Os amigos já empregam sete pessoas.

Fonte: Agência Brasil

Deixe seu Comentário

Leia Também

Gol anuncia fim do programa de fidelidade Smiles
ECONOMIA

Gol anuncia fim do programa de fidelidade Smiles

15/10/2018 18:45
Gol anuncia fim do programa de fidelidade Smiles
Whatsapp receberá atualização de mensagens apagadas
EM BREVE

Whatsapp receberá atualização de mensagens apagadas

15/10/2018 18:37
Whatsapp receberá atualização de mensagens apagadas
Confira fotos dos novos filhotes de tigre-bengala brancos de zoológico chinês
RAROS

Confira fotos dos novos filhotes de tigre-bengala brancos de zoológico chinês

15/10/2018 18:31
Confira fotos dos novos filhotes de tigre-bengala brancos de zoológico chinês
Congresso mundial de ginecologia propõe redução de cesáreas no Brasil
REDUÇÃO

Congresso mundial de ginecologia propõe redução de cesáreas no Brasil

15/10/2018 17:45
Congresso mundial de ginecologia propõe redução de cesáreas no Brasil
Jader Barbalho (MDB) deve mais de R$ 57 milhões para a União
SENADORES DEVEDORES

Jader Barbalho (MDB) deve mais de R$ 57 milhões para a União

15/10/2018 17:23
Jader Barbalho (MDB) deve mais de R$ 57 milhões para a União
Últimas Notícias