Dólar Americano/Real Brasileiro compra R$ 5,1158 venda R$ 5,1173 máxima 5,1166
Euro/Real Brasileiro compra R$ 6,0725 venda R$ 6,0753 máxima 6,0788
29 Jul - 06h26
quinta, 29 de julho de 2021
LIDER - MELHOR ELET SECADOR - DESK - 03, 12, 21 E 29.07
CESUPA - TRANSF 2 GRAD - SB MOB - 26.07 a 09.08
ECONOMIA

CMN fixa em 3% a meta de inflação para 2024

24 Jun 2021 - 20h00Atualizado 24 Jun 2021 - 19h34
CMN fixa em 3% a meta de inflação para 2024 - Crédito: Arquivo/Agência Brasil Crédito: Arquivo/Agência Brasil

 

O Conselho Monetário Nacional (CMN) definiu a meta de inflação para 2024 em 3%, com tolerância de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo. O anúncio foi feito pelo Ministério da Economia nesta quinta-feira (24).

As metas de inflação para 2022 e 2023 foram mantidas, respectivamente, em 3,5% e 3,25%, também com intervalo de tolerância de 1,5 ponto para cima ou para baixo. Esse é o valor que o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) poderá alcançar nos próximos anos. Em 2021, a meta para a inflação também permanece em 3,75%, com o mesmo intervalo de tolerância de 1,5 ponto.

Em nota, o Ministério da Economia destacou que o anúncio reduz incertezas e aumenta a capacidade de planejamento dos agentes econômicos (famílias, empresas e setor financeiro). Segundo a pasta, a busca pelo equilíbrio nas contas públicas cria um ambiente favorável para a redução estrutural da inflação e dos juros.

De acordo com a pasta, a reforma da Previdência e a fixação do teto de gastos produziram expectativas de queda nos gastos no médio prazo. O texto também citou a Emenda Constitucional Emergencial, que estabeleceu gatilhos de ajustes de despesas para União, estados e municípios, caso as despesas obrigatórias sujeitas ao teto de gastos ultrapasse determinado nível.

Mesmo diante de choques adversos, como a pandemia e a alta das commodities (bens agrícolas com cotação internacional), que elevaram a inflação em 2021, o governo afirma que a manutenção do teto de gastos e o compromisso com o equilíbrio fiscal no médio e no longo prazo mantêm o ambiente favorável à estabilidade macroeconômica.

Histórico

Até 2016, a meta de inflação era fixada com dois anos de antecedência, mas um decreto publicado no Diário Oficial da União em junho de 2017 determinou que a definição passasse a ser feita três anos antes. De acordo com o Banco Central (BC), a mudança teve como objetivo reduzir as incertezas e melhorar a capacidade de planejamento das famílias, das empresas e do governo.

Desde 2005, o centro da meta de inflação estava em 4,5%, com 2,5 pontos de margem de tolerância. Em 2006, esse intervalo caiu para 2 pontos e permaneceu assim nos anos seguintes até ser reduzido para 1,5 ponto para 2017 e 2018, banda que será mantida agora até 2024.

A meta de inflação deve ser perseguida pelo BC ao definir a taxa básica de juros, a Selic. Quando o Comitê de Política Monetária (Copom) aumenta a Selic, pretende conter a demanda aquecida e segurar os preços ao encarecer o crédito e estimular a poupança. Ao diminuir os juros básicos, o Copom barateia o crédito, incentivando a produção e o consumo.

 

Fonte: Agência Brasil

Envie denúncias, informações, vídeos e imagens para o Whatsapp do Portal Roma News
(91) 98547-6589ou clique aqui e fale conosco

Deixe seu Comentário

Leia Também

CGU não encontra sobrepreço na compra da Covaxin, mas investiga Precisa
INVESTIGAÇÃO CONTINUA

CGU não encontra sobrepreço na compra da Covaxin, mas investiga Precisa

28/07/2021 23:20
CGU não encontra sobrepreço na compra da Covaxin, mas investiga Precisa
Mortes por covid-19 no Brasil chegam a 553,1 mil
SALDOS DA PANDEMIA

Mortes por covid-19 no Brasil chegam a 553,1 mil

28/07/2021 22:24
Mortes por covid-19 no Brasil chegam a 553,1 mil
Presidente prorroga suspensão de metas para prestadores de saúde
ATÉ DEZEMBRO

Presidente prorroga suspensão de metas para prestadores de saúde

28/07/2021 22:19
Presidente prorroga suspensão de metas para prestadores de saúde
Anvisa recebe solicitação de uso de medicamento contra covid-19 da Pfizer
SAÚDE

Anvisa recebe solicitação de uso de medicamento contra covid-19 da Pfizer

28/07/2021 21:00
Anvisa recebe solicitação de uso de medicamento contra covid-19 da Pfizer
Bolsonaro sanciona programa de combate à violência contra a mulher
DIREITOS HUMANOS

Bolsonaro sanciona programa de combate à violência contra a mulher

28/07/2021 20:15
Bolsonaro sanciona programa de combate à violência contra a mulher
Últimas Notícias