Euro compra R$ 4,2847 venda R$ 4,2885 máxima 4,2928
Dólar Comercial compra R$ 3,7648 venda R$ 3,7678 máxima 3,8152
23 Jan - 20h09
quarta, 23 de janeiro de 2019
Residencial Marajoara
Mobile - Residencial Marajoara
CENSURA REVOGADA

'Estadão' volta a poder publicar informações sobre família Sarney

Ricardo Lewandowski derruba decisão que perdurou por nove anos

09 Nov 2018 - 06h45Por Da Redação
Ricardo Lewandowski, ministro do Supremo Tribunal Federal - Crédito: Valter Campanato/Agência BrasilRicardo Lewandowski, ministro do Supremo Tribunal Federal - Crédito: Valter Campanato/Agência Brasil

Ricardo Lewandowski, ministro do Supremo Tribunal Federal revogou nesta hoje (8), a decisão que impedia o jornal "O Estado de S.Paulo" de publicar informações sobre a Operação Boi Barrica que envolvem familiares do ex-senador José Sarney (MDB-AP).

Segundo informações do próprio "Estadão", a proibição determinada por um juiz do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios completou 3.327 dias (mais de nove anos), período que o jornal classificou como "censura".

De acordo com o "Estadão", o material se referia à publicação de gravações que sugeriam elo de José Sarney com a contratação de parentes e aliados por meio de atos secretos. Fernando Sarney , filho do ex-presidente, foi quem entrou com a ação no TJ-DFT, argumentando que o jornal tentava ferir a honra da família.

Na decisão, Lewandowski considerou que, ao derrubar a Lei de Imprensa, em 2009, o Supremo proibiu censura prévia e garantiu "a plena liberdade de imprensa". E que a decisão do TJ censura a imprensa, mitiga a liberdade de expressão e viola o que foi decidido pelo STF.

"Não há como se chegar a outra conclusão senão a de que o acórdão recorrido, ao censurar a imprensa, mitigando a garantia constitucional da liberdade de expressão, de modo a impedir a divulgação de informações, ainda que declaradas judicialmente como sigilosas e protegidas pelo ordenamento jurídico, viola o que foi decidido na ADPF 130 [ação da Lei de Imprensa]", afirmou o ministro.

O jornal recorreu da decisão que proibiu as publicações, mas o recurso analisado por Lewandowski chegou ao STF somente em 2014. A relatora original era Cármen Lúcia. O caso ficou com Lewandowski depois que ela assumiu a presidência do STF.

Em maio, Lewandowski negou dar andamento ao recurso do jornal, que recorreu. Na análise do recurso, a Segunda Turma do Supremo decidiu, por três votos a dois, que o ministro deveria analisar o caso.

Em maio, Lewandowski negou dar andamento ao recurso do jornal por considerar que não era papel do Supremo analisar a questão, mas sim de instâncias inferiores da Justiça.

O jornal recorreu dessa decisão. Na análise do recurso, a Segunda Turma do Supremo decidiu, por três votos a dois, que o caso era, sim, de competência do Supremo e que, portanto, Lewandowski deveria analisar a questão.

Com informações do G1.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Maduro rejeita declaração de Guaidó como presidente
TENSÃO INTERNACIONAL

Maduro rejeita declaração de Guaidó como presidente

23/01/2019 18:15
Maduro rejeita declaração de Guaidó como presidente
Paulo Guedes disse que irá zerar o déficit fiscal de 2019
ECONOMIA

Paulo Guedes disse que irá zerar o déficit fiscal de 2019

23/01/2019 18:14
Paulo Guedes disse que irá zerar o déficit fiscal de 2019
Maduro dá 72 horas para os diplomatas americanos deixarem a Venezuela
EM CARACAS

Maduro dá 72 horas para os diplomatas americanos deixarem a Venezuela

23/01/2019 17:42
Maduro dá 72 horas para os diplomatas americanos deixarem a Venezuela
Justiça dá mais 90 dias para PF investigar quem pagou defesa de Adélio Bispo
EM MINAS GERAIS

Justiça dá mais 90 dias para PF investigar quem pagou defesa de Adélio Bispo

23/01/2019 17:40
Justiça dá mais 90 dias para PF investigar quem pagou defesa de Adélio Bispo
Fórum sobre síndromes raras reúne Michelle Bolsonaro, Rosângela Moro e Damares Alves
CONSCIÊNCIA SOCIAL

Fórum sobre síndromes raras reúne Michelle Bolsonaro, Rosângela Moro e Damares Alves

23/01/2019 17:21
Fórum sobre síndromes raras reúne Michelle Bolsonaro, Rosângela Moro e Damares Alves
Últimas Notícias