Dólar Comercial compra R$ 5,3457 venda R$ 5,3474 máxima 5,3933
Euro compra R$ 6,0608 venda R$ 6,0643 máxima 6,0846
08 Jul - 11h29
quarta, 08 de julho de 2020
Basa Sua Conta
Basa Sua Conta
MEDICINA

Liberação da Cannabis deve injetar R$ 4,7 bilhões no Brasil

04 Dez 2019 - 12h35Atualizado 04 Dez 2019 - 12h42
Liberação da Cannabis deve injetar R$ 4,7 bilhões no Brasil - Crédito: Reprodução. Crédito: Reprodução.

A decisão da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) de liberar a venda em farmácias de produtos à base de cannabis para uso medicinal deverá injetar cerca de R$ 4,7 bilhões por ano no Brasil, segundo as empresas de dados do setor New Frontier e Green Hub. A regulamentação foi aprovada nesta terça-feira (03), por unanimidade e é temporária, com validade de três anos.

A projeção mais entusiasta, que representa um valor equivalente a 6,5% do total do faturamento da indústria farmacêutica no país em 2017 (R$ 76 bilhões), está amparada numa estimativa de que o país tenha ao menos 3,9 milhões de pacientes que poderiam ser tratados com Cannabis.

De acordo com a resolução, os produtos liberados poderão ser para uso oral e nasal, em formato de comprimidos ou líquidos, além de soluções oleosas. O texto não trata do uso recreativo da maconha, que continua proibido.

Cannabis sativa é o nome da planta da qual podem ser extraídas substâncias como o canabidiol (CBD) e o tetra-hidrocanabidiol (THC). O canabidiol é usado em terapias como analgésico ou relaxante. Já o THC é o principal elemento tóxico e psicotrópico da planta, ou seja, altera as funções cerebrais e é o que provoca os efeitos do consumo da maconha, droga ilegal no Brasil. Entretanto, estudos indicam que o THC pode ser usado como princípio ativo para fins medicinais.

A regulamentação impede que a cannabis seja manipulada no Brasil. A comercialização ocorrerá apenas em farmácias e drogarias sem manipulação, que venderão os produtos prontos, mediante prescrição médica.

A resolução da Anvisa cria uma nova classe de produto sujeito à vigilância sanitária: "produto à base de cannabis". Ou seja, durante os três anos de validade, os produtos ainda não serão classificados como medicamentos.

Fonte: Extra.

Envie denúncias, informações, vídeos e imagens para o Whatsapp do Portal Roma News
(91) 99385-1113ou clique aqui e fale conosco

Deixe seu Comentário

Leia Também

PF apura fraude em licitações no combate à Covid-19 em Macapá
COVIDÃO

PF apura fraude em licitações no combate à Covid-19 em Macapá

há 29 minutos atrás
PF apura fraude em licitações no combate à Covid-19 em Macapá
Reabertura das agências do INSS é adiada para dia 3 de agosto
FLEXIBILIZAÇÃO

Reabertura das agências do INSS é adiada para dia 3 de agosto

08/07/2020 10:23
Reabertura das agências do INSS é adiada para dia 3 de agosto
Vendas no comércio varejista crescem 13,9% de abril para maio, aponta IBGE
LEVANTAMENTO

Vendas no comércio varejista crescem 13,9% de abril para maio, aponta IBGE

08/07/2020 10:01
Vendas no comércio varejista crescem 13,9% de abril para maio, aponta IBGE
Criança sobrevive ao cair do quarto andar após ser deixada sozinha em São Paulo
DESCUIDO

Criança sobrevive ao cair do quarto andar após ser deixada sozinha em São Paulo

08/07/2020 08:56
Criança sobrevive ao cair do quarto andar após ser deixada sozinha em São Paulo
Dono da rede Ricardo Eletro é preso em operação que investiga sonegação fiscal de R$ 400 milhões
ROMBO

Dono da rede Ricardo Eletro é preso em operação que investiga sonegação fiscal de R$ 400 milhões

08/07/2020 08:35
Dono da rede Ricardo Eletro é preso em operação que investiga sonegação fiscal de R$ 400 milhões
Últimas Notícias