Miliciano mais procurado do Rio de Janeiro se entrega à Polícia Federal

O miliciano mais procurado do Rio de Janeiro foi preso no domingo, 24, após se entregar à Polícia Federal (PF). Luís Antônio da Silva Braga, mais conhecido como Zinho, estava foragido desde 2018 e tem, de acordo com a PF, 12 mandados de prisão. Segundo a Polícia Federal, a prisão foi formalizada “após tratativas...

Publicado em 25 de dezembro de 2023 às 08:13

O miliciano mais procurado do Rio de Janeiro foi preso no domingo, 24, após se entregar à Polícia Federal (PF). Luís Antônio da Silva Braga, mais conhecido como Zinho, estava foragido desde 2018 e tem, de acordo com a PF, 12 mandados de prisão.

Segundo a Polícia Federal, a prisão foi formalizada 'após tratativas entre os patronos do miliciano com a PF e a Secretaria de Segurança Pública do Estado do Rio de Janeiro'.

A polícia informou que Zinho se apresentou na Delegacia de Repressão a Drogas (DRE) e Grupo de Investigações Sensíveis e Facções Criminosas da PF (GISE), na Superintendência Regional da PF e após os procedimentos de praxe, o miliciano foi encamninhado para o Instituto Médico Legal (IML) para fazer exame de corpo de delito, procedimento padrão em prisões. Feito isso, Zinho foi conduzido ao sistema prisional do Estado, onde permanece à disposição da Justiça. O local em que Zinho permanecerá preso não foi informado.

Zinho está à frente da milícia que mais domina áreas da Zona Oeste de Rio. Ele ascendeu ao posto de chefe da maior milícia do estado há pouco mais de um ano, após a morte do irmão Wellington da Silva Braga, o Ecko, morto pela polícia em junho do ano passado, na comunidade de Três Pontes, em Paciência.

Na última terça-feira passada, 19, a Operação Dinastia, deflagrada pela PF, cumpriu 17 mandados de prisão contra integrantes da chamada 'milícia do Zinho'. No dia 18 de dezembro, foram cumpridos mandados contra a deputada Lucia Helena Pinto de Barros, a Lucinha (PSD). Em investigação, a PF interceptou mensagens que apontam que a parlamentar, chamada de 'madrinha' pelo grupo, agia como lobista em favor de ações ao bando. A Justiça determinou que ela fosse afastada do cargo.

Com informações da CNN