Dólar Comercial compra R$ 5,4429 venda R$ 5,4435 máxima 5,4467
Euro compra R$ 5,9371 venda R$ 5,9394 máxima 5,939
25 Mai - 22h04
segunda, 25 de maio de 2020
Alcoa
Natura mobile
AÇÃO CIVIL PÚBLICA

MPF quer revogação de norma que autoriza intervenções médicas sem consentimento das gestantes

08 Nov 2019 - 12h25Atualizado 08 Nov 2019 - 12h27
MPF quer revogação de norma que autoriza intervenções médicas sem consentimento das gestantes - Crédito: Pixabay Crédito: Pixabay

O Ministério Público Federal (MPF) entrou com ação civil pública contra o Conselho Federal de Medicina (CFM) para que sejam revogados pontos da Resolução 2.232/2019 que permitem que as gestantes brasileiras sejam obrigadas a passar por intervenções médicas com as quais não concordam. A norma do CFM, publicada em setembro, abre espaço para que a autonomia da mãe na escolha de procedimentos durante o parto seja caracterizada como abuso de direito da mulher em relação ao feto, mesmo que não haja risco iminente de morte.

O MPF alerta que, da forma como estão redigidos os artigos 5º, §2º, 6º e 10º permitem que o médico não aceite a recusa da gestante em se submeter a determinadas intervenções e que o profissional adote medidas para coagir a paciente a receber tratamentos que não deseja, inclusive com a possibilidade de internações compulsórias ilegais. A resolução prevê, por exemplo, que casos de recusa terapêutica por “abuso de direito” da mulher deverão ser comunicados “ao diretor técnico [do estabelecimento de saúde] para que este tome as providências necessárias perante as autoridades competentes, visando assegurar o tratamento proposto”, o que implica ainda na violação ilegal do sigilo médico.

Antes da ação ajuizada, o MPF havia expedido uma recomendação ao CFM, dando prazo de 30 dias para que o órgão revogasse os pontos ilegais da Resolução 2.232/2019. Contudo, em resposta, o conselho profissional manteve integralmente os termos questionados, discorrendo inclusive sobre a necessidade de internação compulsória de parturientes quando estas se negarem a seguir orientações médicas.

Segundo a norma do CFM, a adoção de procedimentos coercitivos ou não consentidos é “autorizada” em casos de urgência e emergência. Contudo, as regras estabelecidas pelo conselho são flagrantemente ilegais, pois ignoram a exigência prevista na legislação de que haja iminente perigo de morte para que tratamentos recusados sejam impostos aos pacientes. “No que tange ao atendimento ao parto, a aplicação da Resolução 2.232/2019 mostra-se contrária às políticas de humanização do nascimento preconizadas pelo Ministério da Saúde, afronta diversos dispositivos legais e direitos consagrados pela Constituição Federal em vigor, além de representar a institucionalização de atos arbitrários e contrários à autonomia das parturientes”, destaca a ação.

Além de contrariar o Código de Ética Médica, o desrespeito ao direito de escolha da gestante também configura crime. Segundo o artigo 146 do Código Penal, os profissionais que agirem conforme a Resolução 2.232/2019 poderão responder por constrangimento ilegal, caso, no atendimento durante a gestação e o parto, realizem intervenções médicas ou cirúrgicas sem o consentimento da mulher quando não existir o iminente perigo de morte.

Violência obstétrica

Para o MPF, os artigos questionados podem favorecer a adoção de procedimentos desnecessários, com os quais as gestantes não tenham concordado, como a episiotomia (corte entre a vagina e o ânus para ampliar o canal de passagem do bebê), a administração de soro de ocitocina (para acelerar o trabalho de parto) e a utilização de manobra de kristeller (pressão na barriga da mãe para apressar o nascimento). Todas estas práticas não são indicadas ou são consideradas prejudiciais quando realizadas de forma irrestrita, segundo as diretrizes adotadas pelo Ministério da Saúde e pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

Além disso, a aplicação da Resolução 2.232/2019 tende a favorecer e perpetuar cesarianas desnecessárias, visto que a opção da gestante pelo parto normal pode ser entendida como “abuso de direito”. “No Brasil, uma em cada quatro mulheres sofre algum tipo de violência no parto, associada a intervenções desnecessárias e prejudiciais à saúde, além de desrespeitos verbais e negligência. O país também ostenta um dos mais elevados índices mundiais de partos cirúrgicos, o que implica que milhares de mulheres sejam submetidas a cesáreas desnecessárias anualmente, sendo expostas a riscos superiores aos do parto normal”, destaca o MPF.

Fonte: MPF

Envie denúncias, informações, vídeos e imagens para o Whatsapp do Portal Roma News
(91) 99385-1113ou clique aqui e fale conosco

Deixe seu Comentário

Leia Também

Justiça suspende decreto que permite abrir comércio de Duque de Caxias
RIO DE JANEIRO

Justiça suspende decreto que permite abrir comércio de Duque de Caxias

25/05/2020 21:00
Justiça suspende decreto que permite abrir comércio de Duque de Caxias
Bolsonaro nega interferência na PF e espera arquivamento de inquérito
INVESTIGAÇÃO

Bolsonaro nega interferência na PF e espera arquivamento de inquérito

25/05/2020 20:20
Bolsonaro nega interferência na PF e espera arquivamento de inquérito
Dólar cai para R$ 5,45 e bolsa fecha no maior nível em dois meses
ECONOMIA

Dólar cai para R$ 5,45 e bolsa fecha no maior nível em dois meses

25/05/2020 20:00
Dólar cai para R$ 5,45 e bolsa fecha no maior nível em dois meses
Em sessão cerimônia virtual, Barroso toma posse como presidente do TSE
MANDATO ATÉ 2022

Em sessão cerimônia virtual, Barroso toma posse como presidente do TSE

25/05/2020 19:28
Em sessão cerimônia virtual, Barroso toma posse como presidente do TSE
Governo Federal divulga as novas ações de combate à Covid-19
ACOMPANHE

Governo Federal divulga as novas ações de combate à Covid-19

25/05/2020 18:23
Governo Federal divulga as novas ações de combate à Covid-19
Últimas Notícias