Musk compra Twitter e demite presidente e diretores; suspensão do banimento de Trump gera expectativas

O empresário sul-africano Elon Musk concluiu a compra do Twitter por US$ 44 bilhões (equivalente a R$ 235 bilhões) na última quinta-feira, 27. Pouco tempo após o anúncio, o novo proprietário tomou medidas como demitir o presidente-executivo do Twitter, Parag Agrawal, o diretor financeiro, Ned Segal, e o chefe de...

Publicado em 28 de outubro de 2022 às 07:28

O empresário sul-africano Elon Musk concluiu a compra do Twitter por US$ 44 bilhões (equivalente a R$ 235 bilhões) na última quinta-feira, 27. Pouco tempo após o anúncio, o novo proprietário tomou medidas como demitir o presidente-executivo do Twitter, Parag Agrawal, o diretor financeiro, Ned Segal, e o chefe de assuntos jurídicos e de políticas, Vijaya Gadde, anteriormente acusados por Musk de tentar enganar ele e os demais investidores da plataforma sobre o número de contas falsas na mídia social.

Agrawal e Segal inclusive estavam na sede do Twitter em São Francisco, nos Estados Unidos, quando o acordo foi fechado e uma das primeiras atitudes do novo dono foi mandar escolta-los para fora. Porém, até agora, nenhum deles se pronunciou oficialmente sobre o assunto.

Mais cedo, pouco antes da oficialização da compra, o fundador da SpaceX e da Tesla, disse que quer 'derrotar' bots de spam no Twitter, tornar os algoritmos que determinam como o conteúdo é apresentado a seus usuários publicamente disponíveis e impedir que a plataforma se torne uma câmara de eco para ódio e divisão, destacando que 'A razão pela qual adquiri o Twitter é porque é importante para o futuro da civilização ter uma praça digital comum', disse Musk, em uma postagem em sua conta pessoal. 'Atualmente, há um grande perigo de que as mídias sociais se fragmentem em câmaras de extrema direita e extrema esquerda que geram mais ódio e dividem nossa sociedade.'

Nas redes sociais, ele disse que 'O Pássaro foi libertado' após a aquisição

. Crédito: .

O sul-africano indicou que vê a nova aquisição como uma base para a criação de um 'superaplicativo' que oferece tudo, desde transferências de dinheiro a compras e caronas. 'O potencial de longo prazo para o Twitter, na minha opinião, é uma ordem de magnitude maior do que seu valor atual', disse Musk na ligação da Tesla com analistas em 19 de outubro.

Mas a rede social está lutando para envolver seus usuários mais ativos, que são vitais para os negócios. Esses 'twitters pesados' representam menos de 10% dos usuários gerais mensais, mas geram 90% de todos os tweets e metade da receita global.

Outro detalhe que gera expectativas e gera polêmica é uma professa feita por Musk em maio deste ano: reverter o banimento da conta de Donald Trump no Twitter. Na época, o bilionário declarou que 'Acho que não foi correto banir Donald Trump. Acho que foi um erro'

Com informações do G1