Dólar Comercial compra R$ 3,9026 venda R$ 3,9046 máxima 3,9178
Euro compra R$ 4,4111 venda R$ 4,4127 máxima 4,4248
16 Dez - 13h08
domingo, 16 de dezembro de 2018
claro_banner
Vale
NOVOS TEMPOS

Número de usuários de ônibus caiu 35,6% nas últimas duas décadas

12 Ago 2018 - 12h06
Número de usuários de ônibus caiu 35,6% nas últimas duas décadas - Crédito: Peter Leone/Futura Press/Estadão Conteúdo Crédito: Peter Leone/Futura Press/Estadão Conteúdo

O Ônibus é a principal forma de deslocamento para a população brasileira, correspondendo a 86% da demanda de transporte coletivo, além de atender 3.313 cidades pelo Brasil. O serviço é prestado por cerca de 1.800 empresas concessionárias, operando uma frota de 107 mil veículos que geram 500 mil empregos diretos. Apesar da expressividade dos números, essa forma de mobilidade vem perdendo passageiros ao longo dos anos.

Dados de um levantamento elaborado pela Associação Nacional das Empresas de Transporte Urbano (NTU) mostram que, em um ano, o número de pessoas que utilizam ônibus como meio de transporte sofreu redução de 9,5%. Isso representa uma queda de 3,6 milhões de usuários de 2016 para 2017. É o quarto ano seguido de diminuição. Nas últimas duas décadas, segundo o estudo, houve um declínio de 35,6% de passageiros que pagam tarifas.

Na visão de Otávio Cunha, presidente executivo da NTU, o ônibus, como meio de transporte, deixou de ser interessante para o usuário. “A produtividade do setor caiu quase 40% nos últimos 24 anos e continua em queda. Percebe-se que o serviço de ônibus deixou de ser atrativo para o passageiro e perdeu para moto, carro, aplicativos sob demanda e até para o deslocamento a pé”, observa. Cunha também credita as perdas ao difícil cenário econômico do país, que culmina no alto número de desempregados.

De acordo com Willy Gonzales, professor de engenharia civil da Universidade de Brasília (UnB), o usuário busca agilidade no deslocamento. “Os passageiros prezam por rapidez. Nesse sentido, pessoas que possuem boa renda procuram um meio com mais flexibilidade. Em condições médias, alguns já mudam para a motocicleta”, ressaltou. “Falta resposta do Estado. Assim, há a chegada dos aplicativos ao mercado, possibilitando a flexibilização do sistema para o usuário, a um custo adequado, o que provoca inchaço de veículos particulares nas ruas.”

Outro dado que pesa no bolso da população é o aumento no número de pessoas com direito a usar o transporte gratuitamente. Em 2017, 20,9% dos passageiros tinham isenção do valor da passagem — principalmente idosos e estudantes.

Competição desleal

As disputas por espaço entre veículos individuais e coletivos nas ruas das cidades podem ser facilmente notadas. De acordo com a NTU, o trecho que, há anos, um ônibus ocupava, transportando 48 pessoas, hoje é ocupado por 40 carros carregando o mesmo número de passageiros. O automóvel chega a tomar 70% do espaço viário.

Essa mudança também é sentida nas finanças. De 1999 para cá, o óleo diesel aumentou 193,4% em relação ao preço da gasolina e 248,8%, se comparado ao Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), de acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A tarifa é um dos principais indicadores dessa desigualdade. Enquanto os valores das passagens tiveram aumento de 847,5% num período de 24 anos, as despesas com a aquisição de veículos aumentaram 144,1%. Nesse período, o IPCA teve elevação de 387,09%. O incentivo concedido, nas últimas décadas, à indústria automotiva fomentou o sonho pela conquista do carro próprio no imaginário popular, desvalorizando o transporte coletivo.

A forte concorrência pelas ruas das cidades se reflete no precário sistema oferecido, incomodando o usuário. Caso de Lindalva Fonseca, 46 anos, diarista. “Transporte público é a pior coisa que tem. Além do engarrafamento em todas as cidades, ficamos muito tempo em uma parada esperando pelos ônibus, que estão quebrados e com qualidade ruim”, criticou a moradora de Águas Lindas, que gasta R$ 13,40 por dia com as tarifas.
 
Para Otávio Cunha, presidente executivo da NTU, ter automóvel prejudica a melhora do transporte público. “O carro é um concorrente. Aqui no Brasil, é vendido como um sonho. Agora, na Europa e nos EUA, o veículo é apenas uma ferramenta que as pessoas guardam para emergências”, afirmou. “Não somos contra o automóvel, mas precisamos oferecer um transporte público de qualidade para incentivar o uso.”

Fonte: Correio Braziliense

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Aeroporto de Guarulhos tem atrasos pelo 4º dia seguido
HAJA PACIÊNCIA

Aeroporto de Guarulhos tem atrasos pelo 4º dia seguido

16/12/2018 11:38
Aeroporto de Guarulhos tem atrasos pelo 4º dia seguido
Polícia Civil já fez buscas por João de Deus em mais de 30 endereços
FORAGIDO

Polícia Civil já fez buscas por João de Deus em mais de 30 endereços

16/12/2018 11:00
Polícia Civil já fez buscas por João de Deus em mais de 30 endereços
Bolsonaro diz que pena de morte não será debatida em seu governo
POLÍTICA

Bolsonaro diz que pena de morte não será debatida em seu governo

16/12/2018 10:31
Bolsonaro diz que pena de morte não será debatida em seu governo
Mais Médicos recebe até hoje inscrições de formados no exterior
SAÚDE

Mais Médicos recebe até hoje inscrições de formados no exterior

16/12/2018 09:41
Mais Médicos recebe até hoje inscrições de formados no exterior
Vereador Marcello Siciliano pede federalização do caso Marielle Franco
INVESTIGAÇÃO

Vereador Marcello Siciliano pede federalização do caso Marielle Franco

15/12/2018 23:02
Vereador Marcello Siciliano pede federalização do caso Marielle Franco
Últimas Notícias