Dólar Comercial compra R$ 5,3238 venda R$ 5,3243 máxima 5,324
Euro compra R$ 6,0276 venda R$ 6,0298 máxima 6,0324
13 Jul - 01h55
segunda, 13 de julho de 2020
Basa Sua Conta
Basa Sua Conta
ECONOMIA

Parcelas extras do auxílio emergencial poderão ser desmembradas

Cronograma de pagamento e divisão dos lotes ainda serão definidos

30 Jun 2020 - 18h50Atualizado 30 Jun 2020 - 18h48
Parcelas extras do auxílio emergencial poderão ser desmembradas - Crédito: © Marcello Casal Jr/Agência Brasil Crédito: © Marcello Casal Jr/Agência Brasil

As duas parcelas extras de R$ 600 (R$ 1.200 para mães solteiras) do auxílio emergencial poderão ser desmembradas e pagas em várias vezes, anunciou o ministro da Economia, Paulo Guedes, na cerimônia de assinatura do decreto com a prorrogação do programa de renda para famílias afetadas pela pandemia do novo coronavírus (covid-19).

O presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, informou que a forma do desmembramento das parcelas e as datas de pagamento de cada lote ainda serão definidas. 

Em discurso, Paulo Guedes citou um exemplo do desmembramento, no qual a primeira parcela de R$ 600 seria dividida em duas de R$ 300 e a segunda parcela seria dividida em uma de R$ 500 e outra de R$ 100. O ministro porém  não esclareceu se os lotes remanescentes serão totalmente pagos nos próximos dois meses ou se serão escalonados até outubro.

Aumento de gastos

Guedes ressaltou que o governo não pode ser acusado de omissão com os mais pobres durante a pandemia. Segundo ele, o presidente Jair Bolsonaro está disposto a “não deixar para trás nenhum dos brasileiros invisíveis”.

O ministro disse que o contingente de trabalhadores informais não cobertos por programas sociais, e que passou a ser atendido pelo auxílio emergencial, chega a 40 milhões de pessoas, sem contar com os cerca de 19 milhões de beneficiários do Bolsa Família incorporados ao programa. 

Guedes revelou que o governo está disposto a aumentar os gastos para atender a população mais vulnerável à pandemia da covid-19, com a condição de retomar as reformas estruturais no próximo ano.

“Nosso déficit [2020] vai para 15%, 16%, 17% do PIB [Produto Interno Bruto]. Não interessa. Como o presidente disse, não vão faltar recursos para a saúde. Agora, interessa muito o ano que vem. Este foi um ano de despesas extraordinárias. Não tem problema. O mercado compreende quando há um momento extraordinário. Neste ano, fomos derrubados, estamos no meio de um tiroteio, da fumaça, mas temos a bússola na mão. Vamos nos levantar. Vamos voltar para o curso”, declarou Guedes.

Em relação às reformas estruturais, o ministro disse que, após o fim da pandemia, o governo pretende dar prioridade ao Programa Renda Brasil, que pretende unificar diversos programas sociais e de transferência de renda, e ao cartão verde-amarelo, regime especial de emprego com menos direitos trabalhistas para trabalhadores jovens. Guedes também citou como medidas a serem tomadas, o Imposto de Renda negativo (pagamento direto do governo a pessoas de menor renda), o estímulo ao crédito para microempreendedores e a atualização do marco regulatório para destravar investimentos privados.

Fonte: Agência Brasil

Envie denúncias, informações, vídeos e imagens para o Whatsapp do Portal Roma News
(91) 99385-1113ou clique aqui e fale conosco

Deixe seu Comentário

Leia Também

Mulheres grávidas devem se preocupar com a saúde vascular
CUIDADOS

Mulheres grávidas devem se preocupar com a saúde vascular

12/07/2020 21:30
Mulheres grávidas devem se preocupar com a saúde vascular
Estado do Rio tem quase 130 mil casos de covid-19, com 11.415 mortes
CORONAVÍRUS

Estado do Rio tem quase 130 mil casos de covid-19, com 11.415 mortes

12/07/2020 21:00
Estado do Rio tem quase 130 mil casos de covid-19, com 11.415 mortes
Nise Yamaguchi é suspensa do Hospital Albert Einstein após fala sobre holocausto
POLÊMICA

Nise Yamaguchi é suspensa do Hospital Albert Einstein após fala sobre holocausto

12/07/2020 17:35
Nise Yamaguchi é suspensa do Hospital Albert Einstein após fala sobre holocausto
Espanha ordena confinamento de 200 mil pessoas neste domingo, 12
PANDEMIA

Espanha ordena confinamento de 200 mil pessoas neste domingo, 12

há 9 horas atrás
Espanha ordena confinamento de 200 mil pessoas neste domingo, 12
Gilmar Mendes critica a manutenção do Ministério da Saúde nas mãos do Exército
POLÊMICA

Gilmar Mendes critica a manutenção do Ministério da Saúde nas mãos do Exército

12/07/2020 15:53
Gilmar Mendes critica a manutenção do Ministério da Saúde nas mãos do Exército
Últimas Notícias