Presidente do Equador libera posse e porte de armas no país e diz estar 'preocupado com a insegurança'

Durante uma transmissão em rede nacional de televisão, o presidente do Equador, Guillermo Lasso, anunciou a autorização da posse e porte de armas para defesa pessoal como uma das medidas para combater a onda de insegurança no país. Em meio a uma crise política que levou à abertura de um processo para seu impeachment,...

Publicado em 3 de abril de 2023 às 14:13

Durante uma transmissão em rede nacional de televisão, o presidente do Equador, Guillermo Lasso, anunciou a autorização da posse e porte de armas para defesa pessoal como uma das medidas para combater a onda de insegurança no país.

Em meio a uma crise política que levou à abertura de um processo para seu impeachment, o presidente equatoriano decidiu ir à televisão apresentar na noite de sábado, 1, três medidas urgentes para combater o que chamou de 'inimigo comum', a insegurança causada pelo crime organizado e grupos de narcotraficantes no país.

'Modificamos o decreto que permite a posse e o porte de armas', disse ele, detalhando seu uso seria permitido para 'defesa pessoal segundo as exigências da lei e dos regulamentos'.

Também foi autorizado o uso de spray de pimenta para defesa pessoal.

'Estou tão preocupado quanto vocês com a insegurança', disse ele, observando que a criação de uma operação conjunta das Forças Armadas, da Polícia Nacional e da Inteligência para a segurança do país.

Estado de Emergência por narcotráfico

O Equador declarou estado de emergência, a partir de domingo, 2, em três regiões do país atormentadas pelo tráfico de drogas e pela criminalidade, como o porto sudoeste de Guayaquil.

A medida permite que os militares tomem as ruas, e já foi utilizada três vezes no ano passado.

'Declaramos estado de emergência na zona 8, que inclui (as cidades de) Guayaquil, Durán e Samborondón, e nas províncias (costeiras) de Santa Elena e Los Ríos', disse o presidente.

Por sessenta dias, essas cidades ficarão sob toque de recolher entre 1h e 5h da manhã. Além disso, ficará suspenso o direito de reunião nesses locais.

'Temos um inimigo comum: a delinquência, o tráfico de drogas e o crime organizado', afirmou Lasso, que está no poder desde maio de 2021.

Com informações do G1