Remédios terão reajuste de mais de 5% a partir deste sábado

O governo federal definiu, nesta sexta-feira, 31, as taxas de reajuste no preço dos medicamentos para 2024. A partir de abril, o valor dos remédios terá aumento de até 5,6%. A medida foi publicada no Diário Oficial da União (DOU) desta sexta. Os índices de reajustes são calculados pela Câmara de Regulação do Mercado...

Publicado em 31 de março de 2023 às 14:33

O governo federal definiu, nesta sexta-feira, 31, as taxas de reajuste no preço dos medicamentos para 2024. A partir de abril, o valor dos remédios terá aumento de até 5,6%.

A medida foi publicada no Diário Oficial da União (DOU) desta sexta. Os índices de reajustes são calculados pela Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos (Cmed), e atualizados anualmente.

O cálculo usa uma fórmula, com base na inflação, por meio do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) acumulado em 12 meses, até fevereiro de cada ano.

A medida publicada nesta sexta, no entanto, pode não afetar diretamente os valores praticados nas farmácias, uma vez que a Cmed define o valor máximo que cada remédio pode atingir no mercado, e não age como tabelamento de preços.

Em nota, o Sindicato da Indústria de Produtos Faramacêuticos (Sindusfarma) afirmou que os últimos anos foram 'atípicos' para o setor, especialmente devido à pandemia causada pelo coronavírus e pela incidência de sintomas pós-Covid, que impulsionaram preços. A guerra da Ucrânia também elevou gastos com logísticas, informou o sindicato.

'Mesmo reajustando preços pelo índice autorizado ou sendo obrigadas a reduzir descontos em alguns produtos, várias indústrias farmacêuticas fecharam o balanço de 2022 com margens reduzidas', consta na nota divulgada pela entidade.

O Sindusfarma ressaltou ainda que o consumidor deve pesquisar os preços dos medicamentos e estar atento aos valores, já que nenhuma empresa pode aumentar o preço máximo ao consumidor sem autorização do governo.

Com informações do Metrópoles