Euro compra R$ 4,185 venda R$ 4,1861 máxima 4,2116
Dólar Comercial compra R$ 3,7022 venda R$ 3,7032 máxima 3,726
15 Fev - 16h10
sexta, 15 de fevereiro de 2019
Unique
unique_mobile
EM BRASÍLIA

STF conclui amanhã julgamento que pede criminalização da homofobia

13 Fev 2019 - 15h47Por Rodrigo Monteiro
STF conclui amanhã julgamento que pede criminalização da homofobia - Crédito: Ascom/STF Crédito: Ascom/STF

Os ministros do Supremo Tribunal Federal marcaram para esta quinta-feira, 14, a conclusão do julgamento da ação protocolada pelo PPS para criminalizar a homofobia, caracterizada pelo preconceito contra o público LGBT (lésbicas, gays, bissexuais, transexuais e travestis). A sessão será retomada às 14h, para a tomada de votos dos ministros.

Duas ações que tratam de suposta omissão do Congresso Nacional em votar projeto de lei que efetive a criminalização específica para atos de homofobia e transfobia estão na pauta de julgamento do Plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) desta quarta-feira (13). A matéria é tema da Ação Direta de Inconstitucionalidade por Omissão (ADO) 26 e do Mandado de Injunção (MI) 4733.

Na ADO 26, o Partido Popular Socialista (PPS) pede que o STF declare a omissão do Congresso Nacional por não ter elaborado legislação criminal que puna todas as formas de homofobia e de transfobia. Segundo o partido, a conduta pode ser enquadrada como racismo, pois implica inferiorização da população LGBT, ou como discriminação atentatória a direitos e a liberdades fundamentais. A pretensão é exigir que os parlamentares votem lei sobre a questão, especialmente em relação a ofensas, homicídios, agressões e discriminações motivadas pela orientação sexual ou pela identidade de gênero da vítima. O relator da ADO 26 é o ministro Celso de Mello, decano do Tribunal.

A Associação Brasileira de Gays, Lésbicas e Transgêneros (ABGLT) é a autora do MI . Assim como na ADO 26, a entidade pede o reconhecimento de que a homofobia e a transfobia se enquadram no conceito de racismo ou, subsidiariamente, que sejam entendidas como discriminações atentatórias a direitos e liberdades fundamentais. Com fundamento nos incisos XLI e XLII do artigo 5º da Constituição Federal, a ABGLT sustenta que a demora do Congresso Nacional é inconstitucional, tendo em vista o dever de editar legislação criminal sobre a matéria. O ministro Edson Fachin é o relator da ação. Fonte: STF

Deixe seu Comentário

Leia Também

Mulher dá a luz a sete bebês em parto normal no Iraque
RARÍSSIMO

Mulher dá a luz a sete bebês em parto normal no Iraque

há 37 minutos atrás
Mulher dá a luz a sete bebês em parto normal no Iraque
Trump anuncia declaração nacional para construir muro
POLÍTICA

Trump anuncia declaração nacional para construir muro

há 39 minutos atrás
Trump anuncia declaração nacional para construir muro
Disney publica foto de casamento gay no Castelo da Cinderela
PRIDE

Disney publica foto de casamento gay no Castelo da Cinderela

há 53 minutos atrás
Disney publica foto de casamento gay no Castelo da Cinderela
Gilmar Mendes anula etapa da Lava Jato em São Paulo
DECISÃO

Gilmar Mendes anula etapa da Lava Jato em São Paulo

15/02/2019 14:32
Gilmar Mendes anula etapa da Lava Jato em São Paulo
Imagem divulgada pela Nasa mostra Brumadinho após o rompimento de barragem
CRIME AMBIENTAL

Imagem divulgada pela Nasa mostra Brumadinho após o rompimento de barragem

15/02/2019 14:09
Imagem divulgada pela Nasa mostra Brumadinho após o rompimento de barragem
Últimas Notícias