Dólar Comercial compra R$ 3,9530 venda R$ 3,9554 máxima 3,9542
Euro compra R$ 4,4005 venda R$ 4,4047 máxima 4,4059
25 Abr - 22h56
quinta, 25 de abril de 2019
chinthya charone
chinthya_mobile
EM BRASÍLIA

STF conclui amanhã julgamento que pede criminalização da homofobia

13 Fev 2019 - 15h47Por Rodrigo Monteiro
STF conclui amanhã julgamento que pede criminalização da homofobia - Crédito: Ascom/STF Crédito: Ascom/STF

Os ministros do Supremo Tribunal Federal marcaram para esta quinta-feira, 14, a conclusão do julgamento da ação protocolada pelo PPS para criminalizar a homofobia, caracterizada pelo preconceito contra o público LGBT (lésbicas, gays, bissexuais, transexuais e travestis). A sessão será retomada às 14h, para a tomada de votos dos ministros.

Duas ações que tratam de suposta omissão do Congresso Nacional em votar projeto de lei que efetive a criminalização específica para atos de homofobia e transfobia estão na pauta de julgamento do Plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) desta quarta-feira (13). A matéria é tema da Ação Direta de Inconstitucionalidade por Omissão (ADO) 26 e do Mandado de Injunção (MI) 4733.

Na ADO 26, o Partido Popular Socialista (PPS) pede que o STF declare a omissão do Congresso Nacional por não ter elaborado legislação criminal que puna todas as formas de homofobia e de transfobia. Segundo o partido, a conduta pode ser enquadrada como racismo, pois implica inferiorização da população LGBT, ou como discriminação atentatória a direitos e a liberdades fundamentais. A pretensão é exigir que os parlamentares votem lei sobre a questão, especialmente em relação a ofensas, homicídios, agressões e discriminações motivadas pela orientação sexual ou pela identidade de gênero da vítima. O relator da ADO 26 é o ministro Celso de Mello, decano do Tribunal.

A Associação Brasileira de Gays, Lésbicas e Transgêneros (ABGLT) é a autora do MI . Assim como na ADO 26, a entidade pede o reconhecimento de que a homofobia e a transfobia se enquadram no conceito de racismo ou, subsidiariamente, que sejam entendidas como discriminações atentatórias a direitos e liberdades fundamentais. Com fundamento nos incisos XLI e XLII do artigo 5º da Constituição Federal, a ABGLT sustenta que a demora do Congresso Nacional é inconstitucional, tendo em vista o dever de editar legislação criminal sobre a matéria. O ministro Edson Fachin é o relator da ação. Fonte: STF

Deixe seu Comentário

Leia Também

Ex-superintendente do Ibama é preso no Amazonas
OPERAÇÃO ARQUIMEDES

Ex-superintendente do Ibama é preso no Amazonas

há 14 minutos atrás
Ex-superintendente do Ibama é preso no Amazonas
Bolsonaro veta campanha do BB sobre diversidade. Assista!
NÃO CURTIU

Bolsonaro veta campanha do BB sobre diversidade. Assista!

25/04/2019 20:17
Bolsonaro veta campanha do BB sobre diversidade. Assista!
Sobrinho de Jair Bolsonaro ganha cargo de confiança no Senado
POLÍTICA

Sobrinho de Jair Bolsonaro ganha cargo de confiança no Senado

há 4 horas atrás
Sobrinho de Jair Bolsonaro ganha cargo de confiança no Senado
Cerco de Trump dá forma à arte na Bienal de Havana
ARTE POLÍTICA

Cerco de Trump dá forma à arte na Bienal de Havana

25/04/2019 18:20
Cerco de Trump dá forma à arte na Bienal de Havana
Raquel Dodge pede condenação do senador Fernando Collor e cassação de seu mandato
DEU RUIM

Raquel Dodge pede condenação do senador Fernando Collor e cassação de seu mandato

25/04/2019 18:17
Raquel Dodge pede condenação do senador Fernando Collor e cassação de seu mandato
Últimas Notícias