Vídeo: bolas de fogo vistas no céu intrigam moradores do Nordeste brasileiro

Na noite da última sexta-feira, 22, moradores de diversas cidades do Nordeste do Brasil registraram vídeos de luzes cruzando o céu. Os feixes de lizes deixavam um rastro de fogo e intrigou a população. A suspeita inicial é de que os objetos luminosos sejam lixo espacial. O Brazilian Meteor Observation Network...

Publicado em 23 de dezembro de 2023 às 09:02

Na noite da última sexta-feira, 22, moradores de diversas cidades do Nordeste do Brasil registraram vídeos de luzes cruzando o céu. Os feixes de lizes deixavam um rastro de fogo e intrigou a população. A suspeita inicial é de que os objetos luminosos sejam lixo espacial.

O Brazilian Meteor Observation Network (Bramon), Rede Brasileira de Monitoramento de Meteoros, informou que há indícios de que as 'bolas de fogo' vistas na noite de ontem sejam lixo espacial despejado por um foguete chinês.

'As análises preliminares apontam para a reentrada do estágio superior CZ-2C R/B (NORAD ID: 43173) de um foguete Longa Marcha 2C, lançado em 25 de janeiro de 2018 a partir do Centro de Lançamento de Satélites de Xichang, na província de Sichuan, sudoeste da China', informou a Rede.

No Piauí por exemplo, moradores de diversas cidades compartilharam nas redes sociais a situação com muita curiosidade. Em um dos vídeos, as pessoas conversam e questionam: 'O que é aquilo? Filma! Meu Deus!'. Veja o vídeo:



Embora tenham sido pegos de surpresa e as imagens tenham causado, em alguns, uma certa preocupação, conforme o Bramon, o 'risco é mínimo', já que a maioria desses objetos acaba não resistindo à entrada na atmosfera terrestre e se desintegra antes mesmo de tocarem o solo. A maior probabilidade é de que este material tenha caído no mar.

☄️Bola de fogo?

Vale reforçar que estes objetos luminosos parecem 'bolas de fogo' porque incendeiam ao entrar na atmosfera da terra. O motivo de se transformarem em uma bola de fogo é o contato com os gases presentes, entre eles o oxigênio, que causa a combustão dos materiais.

Com informações do G1