Dólar Comercial compra R$ 4,1209 venda R$ 4,1214 máxima 4,1312
Euro compra R$ 4,5919 venda R$ 4,5969 máxima 4,6047
24 Ago - 01h35
sábado, 24 de agosto de 2019
Banco da Amazônia 940x230px
Unique_mobile
CONHEÇA

Artesanato é fator de transformação para mulheres de comunidade em Carajás

16 Mai 2019 - 05h00Atualizado 16 Mai 2019 - 08h18Por da redação
Artesanato é fator de transformação para mulheres de comunidade em Carajás - Crédito: Portal Roma News Crédito: Portal Roma News

O grupo Mulheres de Barro surgiu em 2011, após seis anos de um profundo treinamento de mulheres, em um sítio arqueológico na Serra dos Carajás. Este treinamento, desenvolvido por meio de oficinas do programa de educação patrimonial, vinculado aos projetos de prospecção e salvamento arqueológico ocorridos na área do Projeto Salobo (PA), foi fator determinante para que a vida de muitas pessoas pudesse mudar.

Algumas mulheres do grupo já produziam artesanato usando sementes e outras matérias-primas, e nessas oficinas potencializaram o seu trabalho de artesãs ao aprenderem a lidar com o barro e transformá-lo em cerâmica pela química mágica da queima.

No entanto, mais do que aprender a usar técnicas de produção ceramista, essas mulheres já buscavam referências ancestrais que gerassem uma identidade visual para o artesanato produzido no local.

Mesmo infrentando o cansaço, o grupo Mulheres de Barro prosseguiu com a ideia da criação de um espaço em que pudessem produzir cerâmica, ministrar oficinas para multiplicar o conhecimento, expor e comercializar os produtos. Com o Projeto “Implantação do Centro Mulheres de Barro de Exposição e Educação Patrimonial da Serra dos Carajás", o grupo conseguiu o selo da Lei Rouanet e o patrocínio Vale para a realização do sonho e com isso, foi inaugurado o Centro Mulheres de Barro.

As “Mulheres de Barro" buscam tomar a história e a memória em suas mãos, pelas quais retomam peças ancestrais em produtos contemporâneos. A inspiração vem dos vestígios recuperados em sítios arqueológicos localizados na Serra dos Carajás.

Esses vestígios, materializados em formas diversas, sejam pela utilização de figuras antropomorfas, zoomorfas, ou pelos grafismos puros, são naturais de povos que habitaram as proximidades do rio ltacaiunas e seus afluentes há pelo menos seis mil anos. Neste rio, o Museu Paraense Emílio Goeldi realizou pesquisa arqueológica em convênio com a VaIe.

Envie denúncias, informações, vídeos e imagens para o Whatsapp do Portal Roma News
(91) 99385-1113ou clique aqui e fale conosco

Deixe seu Comentário

Leia Também

Polícia Civil apreende 60 máquinas caça-níqueis em estabelecimentos de Belém
OPERAÇÃO

Polícia Civil apreende 60 máquinas caça-níqueis em estabelecimentos de Belém

23/08/2019 20:52
Polícia Civil apreende 60 máquinas caça-níqueis em estabelecimentos de Belém
Mangueirão recebe evento sobre segurança e resgate
CONHECIMENTO

Mangueirão recebe evento sobre segurança e resgate

23/08/2019 20:10
Mangueirão recebe evento sobre segurança e resgate
Detentos realizam trabalho de limpeza em escola no bairro da Cabanagem
REINSERÇÃO SOCIAL

Detentos realizam trabalho de limpeza em escola no bairro da Cabanagem

23/08/2019 19:49
Detentos realizam trabalho de limpeza em escola no bairro da Cabanagem
Republicanos realizam encontro com debate contra o feminicídio
ANANINDEUA

Republicanos realizam encontro com debate contra o feminicídio

23/08/2019 19:10
Republicanos realizam encontro com debate contra o feminicídio
Vereador Joaquim Campos deve passar por cirurgia após sofrer infarto
NA UTI

Vereador Joaquim Campos deve passar por cirurgia após sofrer infarto

23/08/2019 17:40
Vereador Joaquim Campos deve passar por cirurgia após sofrer infarto
Últimas Notícias