Dólar Comercial compra R$ 4,0645 venda R$ 4,0650 máxima 4,0697
Euro compra R$ 4,5039 venda R$ 4,5061 máxima 4,5109
22 Ago - 14h56
quinta, 22 de agosto de 2019
Jorge e Mateus Unico
Unique_mobile
ROTA DO AÇAÍ

Governo federal planeja ampliar a produção de açaí na Amazônia em parceria com os Estados da região

Igarapé Miri, Abaetetuba, Cametá e Barcarena são responsáveis por 70% da produção paraense

16 Ago 2019 - 05h00Atualizado 15 Ago 2019 - 19h00Por Da redação
MDR quer implementar as Rotas do açaí - Crédito: Reprodução - Agência ParáMDR quer implementar as Rotas do açaí - Crédito: Reprodução - Agência Pará

O Estado do Pará é o maior produtor de açaí do Brasil, correspondendo a mais de 61% da produção nacional do fruto, que é originário da várzea amazônica e que neste século XXI se transformou em um dos alimentos mais cobiçados nacionalmente e fora do País. A maior parte do açaí é de produção extrativista, no Pará, assim como no resto da Amazônia. Já há várias iniciativas de plantio do fruto em terra firme, mas ainda prevalece a produção de várzea.

Para impulsionar a produção, geração de renda na região e a exportação, o Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR) criou  a Rota do Açaí no Estado, em parceria com a Superintendência do Desenvolvimento da Amazônia (Sudam), Banco da Amazônia e da Secretaria de Desenvolvimento Agropecuário e da Pesca (Sedap/PA).

Atualmente, dois Polos da Rota do Açaí estão em atividade no Pará. Um deles na unidade Baixo-Tocantins comporta quatro dos cinco maiores produtores de açaí do Estado: Igarapé Miri, Abaetetuba, Cametá e Barcarena, são responsáveis por 70% da produção paraense em 2017. Os municípios de Acará, Baião, Limoeiro do Ajuru, Mocajuba, Moju, Oeiras do Pará e Tailândia, completam este primeiro polo da rota.

O segundo Polo é BR-316, que comporta os municípios produtores de açaí do nordeste paraense, incluindo as ilhas da capital, Belém e outros 20 municípios: Ananindeua, Benevides, Bragança, Capanema, Capitão Poço, Castanhal, Colares, Curuçá, Inhangapi, Maracanã, Marapanim, Marituba, Primavera, Santa Bárbara do Pará, Santa Isabel do Pará, Tomé Açu, Viseu, Bujaru, Santo Antônio do Tauá e Magalhães Barata.

O Polo do Arquipélago do Marajó se encontra em fase de implementação. A região sozinha produziu 20% do total do açaí paraense, registrado em 2017.

Reprodução - IBGE

A produção paraense de açaí deu um salto de 406,5 toneladas coletadas em 2010 para 1,2 milhão de toneladas em 2017, de acordo com dados da Sedap. O Estado do Amazonas ocupa a segunda posição nesse ranking, segundo o MDR, com 23% do total produzido no País. 

 A secretária nacional de Desenvolvimento Regional e Urbano do MDR, Adriana Melo, afirma que a Rota do Açaí foi impantada e está sendo implementada, com a finalidade de priorizar investimentos, estruturar a cadeia de produção com capacitar dos agricultores com o objetivo  de impulsionar o desenvolvimento das regiões com inclusão produtiva e geração de renda, a partir do do fortalecimento da produção do fruto.

A ação faz parte das Rotas de Integração Nacional, que atuam com redes interligadas de Arranjos Produtivos Locais (APLs) para promover inovação, diferenciação, competitividade e lucratividade de empreendimentos associados.

Expansão das cadeias produtivas do açaí 

A projeção do Ministério do Desenvolvimento Regional é ampliar o alcance da Rota do Açaí, com a implantação de dois novos Polos na região Norte: em  São Luiz do Anauá, no estado de Roraima e no arquipélago do Bailique, no estado do Amapá, onde também já há uma grande produção de açaí.

O programa começa a partir da identificação das potencialidades locais, realizada pela Secretaria Nacional de Desenvolvimento Regional e Urbano (SDRU), em conjunto com os órgãos parceiros nos estados e municípios, como associações e entidades locais, onde realizado o diagnóstico, considerando dados de capacidade hídrica, energética, escoamento da produção, rodovias, aeroportos, ferrovias e portos, além da capacidade de beneficiamento e produtiva.

Através das entidades de qualificação, é oferecido apoio técnico e de planejamento estratégico para estruturar e profissionalizar o trabalho dos agricultores, especialmente os pequenos produtores e familiares, como explica a secretária.

Além do uso do fruto como suco regional, onde as comunidades se alimentam diariamente, a polpa do açaí é usada para produção de sorvetes, geleia, na indústria coméstica, medicinal entre outros.

E todo o açaizeiro pode se transformar em diferentes fontes de renda para os produtores, além do próprio fruto. As raízes, quando novas, podem ser usadas como um chá vermífugo. O tronco pode ser aproveitado em construções rurais e para a criação de móveis leves. Os cachos podem ser transformados em vassouras, adubo e, quando queimados, até usados como repelente natural contra insetos. A palha serve como telhado em casas de ribeirinhos e pode ser usada na produção de tapetes e outros objetos artesanais. O caroço pode ser aproveitado como adubo, insumo para a fabricação de joias ecológicas ou como substituto ao uso de carvão e lenha. Já a parte superior do caule é de onde se extrai o palmito do açaí, que pode ser retirado sem a derrubada da árvore, permitindo uma produção sustentável desse produto, como mostram os estudos.

Com informações do MDR

 

Envie denúncias, informações, vídeos e imagens para o Whatsapp do Portal Roma News
(91) 99385-1113ou clique aqui e fale conosco

Deixe seu Comentário

Leia Também

Show de Naiara Azevedo em Almeirim é suspenso após MP denunciar irregularidade em serviços básicos
DÍVIDAS

Show de Naiara Azevedo em Almeirim é suspenso após MP denunciar irregularidade em serviços básicos

há 21 minutos atrás
Show de Naiara Azevedo em Almeirim é suspenso após MP denunciar irregularidade em serviços básicos
Mais de quatro mil jovens aprendizes foram contratados no primeiro semestre
DADOS DO DIEESE

Mais de quatro mil jovens aprendizes foram contratados no primeiro semestre

há 33 minutos atrás
Mais de quatro mil jovens aprendizes foram contratados no primeiro semestre
Queimadas no sudeste do Pará influenciam no tempo em Belém? Confira!
NEBLINA

Queimadas no sudeste do Pará influenciam no tempo em Belém? Confira!

há 44 minutos atrás
Queimadas no sudeste do Pará influenciam no tempo em Belém? Confira!
Licenciamento de veículos com finais de placa 77, 87 e 97 encerra nesta sexta, 23
ATENÇÃO!

Licenciamento de veículos com finais de placa 77, 87 e 97 encerra nesta sexta, 23

há 1 hora atrás
Licenciamento de veículos com finais de placa 77, 87 e 97 encerra nesta sexta, 23
Feirantes do Ver-o-Peso aprendem a prevenir e combater incêndios
ATIVIDADE EDUCATIVA

Feirantes do Ver-o-Peso aprendem a prevenir e combater incêndios

há 2 horas atrás
Feirantes do Ver-o-Peso aprendem a prevenir e combater incêndios
Últimas Notícias