Euro compra R$ 4,2507 venda R$ 4,2528 máxima 4,2778
Dólar Comercial compra R$ 3,7481 venda R$ 3,7483 máxima 3,7696
23 Fev - 22h52
sábado, 23 de fevereiro de 2019
Unique
unique_mobile
DADOS ALARMANTES

A média mensal de casos de violência contra a mulher cresce 24% em um ano

11 Fev 2019 - 08h29
A média mensal de casos de violência contra a mulher cresce 24% em um ano - Crédito: Reprodução/Antonio Cunha/CB/D.A Press/ Correio Braziliense Crédito: Reprodução/Antonio Cunha/CB/D.A Press/ Correio Braziliense

Dos crimes contra mulher monitorados pelo Ligue 180, oito tiveram um grande crescimento no período de 2017 e 2018, com média mensal de 24%. Em 2018, 7.634 mulheres foram vítimas todos os meses, ante 6.139, no ano anterior. Os casos de tentativa de feminicídio dobraram e ultrapassaram sete mil registros. Há 25 anos, o Brasil tenta reverter esse quadro, sem sucesso. Entidades internacionais alertam para o enfraquecimento de políticas públicas para o setor.

Tentativas de feminicídio, violência moral, patrimonial, psicológica, sexual, obstétrica, institucional e tráfico de mulheres dispararam. Os dados fazem parte do balanço, obtido pelo Correio, do canal de denúncias do então Ministério dos Direitos Humanos - agora, Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos. O cenário fica ainda mais grave quando se avalia outras seis violações que entraram no último ano na lista de denúncias do Ligue 180, como ameaça, violência doméstica, familiar, policial, virtual e contra a diversidade religiosa, além de um tópico que aglutina crimes como “outros registros”.

Os números foram avaliados por especialistas e militantes da causa da mulher. Eles foram incisivos: são dados alarmantes, e as investidas masculinas estão cada vez mais cruéis. A violência moral, quando se calunia, difama ou injuria a honra ou a reputação da mulher, subiu 114%: saltou de 1.849 em 2017 para 3.960 no último ano. A violência sexual cresceu 21,5%: saiu de 3.696 casos para 4.491. Já a violência patrimonial — quando há ato de violência que implique dano, perda, subtração, destruição ou retenção de objetos, documentos pessoais, bens e valores — passou de 892 episódios para 1.115, ou seja, 25% a mais no mesmo período.

Desde 1994, a Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra a Mulher, conhecida como Convenção de Belém do Pará, da qual o Brasil é signatário, caracteriza a violência contra o sexo feminino como “qualquer ato ou conduta baseada no gênero, que cause morte, dano ou sofrimento físico, sexual ou psicológico à mulher, tanto na esfera pública quanto na esfera privada”. Depois, a Lei Maria da Penha foi criada para endurecer a punição.

No início do mês passado, o Correio publicou outro trecho do balanço do Ligue 180 mostrando que, só em dezembro, 391 mulheres sofreram agressões por dia, e foram registradas 974 tentativas de feminicídio — um aumento de 78% em relação ao mesmo período do ano passado. “Iniciamos 2019 com números alarmantes de casos de feminicídios e, em sua maioria, a motivação do crime foi a não aceitação do fim do relacionamento, uma necessidade de posse e de controle, considerando a mulher como uma propriedade”, explica Vanessa Molina, gerente da Associação Fala Mulher.

Para Raquel Marques, presidente da Associação Artemis, centro cultural feminista, essa é uma questão cultural. “Quando se fala em aumentar penas e tipificar crimes, estamos trabalhando com o que será feito após o acontecimento. Não estamos nos preocupando com o principal, que é o antes, com a prevenção. Temos de pensar que esse homem é comum. E que ele um dia se apaixonou, dividiu a casa, teve filhos, mas que, no inconsciente dele, a mulher é extensão do seu patrimônio”, critica.

A militante explica que é preciso estimular a intolerância social a qualquer violência. “Tudo começa com a desqualificação moral, com pequenas ofensas. Depois, vêm um empurrão, um tapa. A violência não é do dia para a noite. Ameaça, por exemplo, é registrada só por registrar, para se ter estatística. Na maior parte dos casos, nada é feito”, aponta.

Raquel acredita que falta estrutura social para a mulher sair do ciclo da violência, como creche e emprego. “Quando falta o básico, não adianta criar abrigo. A sociedade inteira precisa viabilizar isso em todos os aspectos. As mulheres se escondem porque são julgadas, ficam arredias para não aumentar o problema dentro de casa, não têm dinheiro para sair”, frisa.

Fonte: Correio Braziliense

Deixe seu Comentário

Leia Também

Confronto perto da fronteira da Venezuela com Brasil deixa dois mortos
CLIMA DE TENSÃO

Confronto perto da fronteira da Venezuela com Brasil deixa dois mortos

há 8 minutos atrás
Confronto perto da fronteira da Venezuela com Brasil deixa dois mortos
Caminhões com ajuda humanitária são incendiados na fronteira pela polícia venezuelana. Assista!
CRUELDADE

Caminhões com ajuda humanitária são incendiados na fronteira pela polícia venezuelana. Assista!

23/02/2019 19:25
Caminhões com ajuda humanitária são incendiados na fronteira pela polícia venezuelana. Assista!
PGR defende que transexuais possam ser transferidas a presídios femininos
DIREITOS HUMANOS

PGR defende que transexuais possam ser transferidas a presídios femininos

23/02/2019 18:08
PGR defende que transexuais possam ser transferidas a presídios femininos
Bolsonaro manda recado ao povo venezuelano: ‘¡Dios al mando!’
DEUS NO COMANDO

Bolsonaro manda recado ao povo venezuelano: ‘¡Dios al mando!’

23/02/2019 16:47
Bolsonaro manda recado ao povo venezuelano: ‘¡Dios al mando!’
Militares começam a desertar do Exército venezuelano. Assista!
TENSÃO NA FRONTEIRA

Militares começam a desertar do Exército venezuelano. Assista!

23/02/2019 16:08
Militares começam a desertar do Exército venezuelano. Assista!
Últimas Notícias