Dólar Comercial compra R$ 3,9026 venda R$ 3,9046 máxima 3,9178
Euro compra R$ 4,4111 venda R$ 4,4127 máxima 4,4248
16 Dez - 12h33
domingo, 16 de dezembro de 2018
Vale
claro_mobile_banner
VANTAGEM

Crise faz crescer diferença salarial por anos de estudo

11 Ago 2018 - 08h27
Crise faz crescer diferença salarial por anos de estudo - Crédito: Luiz Guilherme Gerbelli/G1 Crédito: Luiz Guilherme Gerbelli/G1

Ter um diploma de curso superior não é garantia de emprego, mas coloca o trabalhador em vantagem salarial cada vez maior. Um trabalhador com ensino superior completo recebe, em média, 5,7 vezes o rendimento de um brasileiro com até um ano de estudo. O aumento dessa disparidade é mais um dos efeitos perversos provocados pela crise econômica: os brasileiros que foram para a escola por menos tempo têm sido os mais prejudicados pela piora no mercado de trabalho.

Atualmente, um trabalhador com ensino superior completo tem um rendimento médio de R$ 4.911,66, enquanto um brasileiro com até um ano de estudo ganha R$ 859,81. A diferença entre os rendimentos dos dois grupos, de 471%, é maior do que foi no ano passado, de 443%. Mas já foi ainda pior: em 2012, os mais escolarizados ganhavam em média quase 500% mais que os que tinham até 1 ano de estudo.

E não piorou só para quem tem pouco estudo: para os brasileiros com ensino médio completo, o diferencial neste ano em relação a quem tem o superior completo chegou a 169%. É a diferença mais elevada desde 2012.

A pesquisa

Os dados constam em um estudo feito pelo pesquisador Sergio Firpo, professor do Insper. Desde o fim dos anos 90 e, sobretudo ao longo do início dessa década, a economia brasileira conseguiu diminuir a disparidade de salário entre os diferentes níveis de escolaridade, o que foi fundamental para a redução da desigualdade, por exemplo.

"Em algumas faixas de escolaridade estamos observando uma volta da diferença salarial para o patamar observado em 2012", afirma Firpo. Os números da pesquisa foram extraídos da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (Pnad) e tiveram como base o rendimento mensal habitual do trabalho principal de brasileiros com mais de 14 anos.

"Há uma piora do quadro, embora ela seja lenta. Mas é importante lembrar que esse diferencial já foi maior, sobretudo nos anos 90 e no início dos anos 2000", afirma Firpo.

Sem emprego, bico vira opção

Parte da piora pode ser colocada na conta do crescimento da informalidade no mercado de trabalho, onde a remuneração em geral é menor do que no mercado formal.

Caso de Daniele Feitosa da Silva, 30, demitida de uma confecção têxtil há dois anos, que concluiu o ensino médio e tem enfrentado dificuldade para se recolocar. Desde que foi dispensada, não conseguiu emprego formal. A renda mensal de R$ 1,2 mil caiu para R$ 500 graças aos bicos que consegue fazer em trabalhos de limpeza. Nas últimas semanas, passou a procurar emprego como atendente e caixa de supermercado.

Com três filhos, Daniele tem sido sustentada pelo marido, que trabalha como tatuador, a com a renda da sogra. "Em casa, cortamos bastante coisa: o passeio das crianças, o gasto com roupas e o supermercado. Já são dois anos desempregadas e sem muita perspectiva", afirma.

Fonte: G1

Deixe seu Comentário

Leia Também

Aeroporto de Guarulhos tem atrasos pelo 4º dia seguido
HAJA PACIÊNCIA

Aeroporto de Guarulhos tem atrasos pelo 4º dia seguido

há 55 minutos atrás
Aeroporto de Guarulhos tem atrasos pelo 4º dia seguido
Polícia Civil já fez buscas por João de Deus em mais de 30 endereços
FORAGIDO

Polícia Civil já fez buscas por João de Deus em mais de 30 endereços

16/12/2018 11:00
Polícia Civil já fez buscas por João de Deus em mais de 30 endereços
Bolsonaro diz que pena de morte não será debatida em seu governo
POLÍTICA

Bolsonaro diz que pena de morte não será debatida em seu governo

16/12/2018 10:31
Bolsonaro diz que pena de morte não será debatida em seu governo
Mais Médicos recebe até hoje inscrições de formados no exterior
SAÚDE

Mais Médicos recebe até hoje inscrições de formados no exterior

16/12/2018 09:41
Mais Médicos recebe até hoje inscrições de formados no exterior
Vereador Marcello Siciliano pede federalização do caso Marielle Franco
INVESTIGAÇÃO

Vereador Marcello Siciliano pede federalização do caso Marielle Franco

15/12/2018 23:02
Vereador Marcello Siciliano pede federalização do caso Marielle Franco
Últimas Notícias