Dólar Americano/Real Brasileiro compra R$ 5,2329 venda R$ 5,235 máxima 5,234
Euro/Real Brasileiro compra R$ 6,3595 venda R$ 6,3626 máxima 6,3734
09 Mai - 23h38
domingo, 09 de maio de 2021
ALUBAR - COND ENERGIA - DESK - 07.05 a 07.06
LIDER - MELHOR A CASA E SUA SOFA AZUL - MOB - 09, 18 e 27/05
PANDEMIA

Pesquisa revela que menos de 40% dos profissionais de saúde do país foram testados para covid-19

Passou de 55% para 80% o número de profissionais que disseram ter colegas que se contaminaram no trabalho

02 Ago 2020 - 04h59Atualizado 01 Ago 2020 - 20h49Por Da Redação
Profissionais de saúde são bastante afetados na pandemia - Crédito: Reprodução - Portal da IndústriaProfissionais de saúde são bastante afetados na pandemia - Crédito: Reprodução - Portal da Indústria

Apenas 35,2% dos profissionais de saúde dizem ter sido testados para covid-19 no Brasil. Até junho deste ano de 2020, metade destes profissionais continua sem receber Equipamentos de Proteção Individual (EPI), essenciais para sua proteção durante o trabalho. É o que revela a pesquisa realizada pelo Núcleo de Estudos da Burocracia (NEB), da Fundação Getúlio Vargas (FGV). 

Já na segunda fase, a pesquisa “A pandemia de Covid-19 e os profissionais de saúde pública no Brasil” realizou um levantamento com 2.138 profissionais da saúde pública, de todos os níveis de atenção e regiões do país entre os dias 15 de junho e 1º de julho.

Nesta fase 40% eram agentes comunitários e agentes de controle de endemia, 20,8% profissionais de enfermagem, 14,7% médicos e 23,8%, outros profissionais da saúde. Os pesquisadores avaliaram o impacto do avanço da pandemia entre esses profissionais diante de um cenário de reabertura precipitada das atividades não essenciais em várias cidades.

Pesquisa incluiu perguntas sobre saúde mental e assédio moral durante a pandemia

A primeira fase realizada em abril de 2020, conseguiu capturar o cenário de impacto inicial da pandemia coletando informações de 1.456 profissionais de saúde de todo o Brasil.

Além de ampliar a amostra, nesta segunda etapa os pesquisadores adicionaram ao questionário perguntas relacionadas à saúde mental, assédio moral e testagem destes profissionais.

Uma média de 30% dos profissionais de saúde alegaram sofrer práticas de assédio moral durante a pandemia. Para 78,2%, sua saúde mental foi afetada durante o período, sendo que apenas 20% afirmaram receber algum tipo de apoio do Estado para lidar com estes problemas.

A coordenadora da pesquisa Gabriela Lotta, afirma que as condições de saúde destes profissionais podem estar relacionadas à falta de suporte e recursos por parte do Estado. Para ela, isso cria uma situação muito tensa de trabalho, onde prevalecem o medo e o sentimento de despreparo e uma das consequências é o aumento dos problemas de saúde mental destes profissionais, além do adoecimento, afastamento do trabalho e morte.

Após dois meses da primeira fase da pesquisa, a taxa de profissionais da saúde com medo de contrair a covid-19 continua estável. O índice de agentes comunitários de saúde e agentes de combate à endemia que sente medo da doença chega a 89%, enquanto atinge 83% dos profissionais da enfermagem, 79% dos médicos e 86% dos outros profissionais das equipes ampliadas de saúde. O percentual de profissionais de saúde que relataram ter algum colega que se contaminou com a doença passou de 55% para 80% nesta segunda fase da pesquisa.

Também mostra que aumentou 10% o nível de treinamento dos profissionais de saúde, passando de 21,91% para 32,2%, englobando médicos e técnicos de enfermagem. Ainda assim, o índice continua sendo muito baixo.

Os agentes comunitários de saúde e os agentes de endemia são os profissionais menos atendidos em termos de equipamentos e treinamento. Em junho, apenas 32% destes profissionais apontaram ter recebido EPIs. Houve uma pequena melhora com relação ao período anterior, já que em abril apenas 19,65% dos agentes comunitários relataram receber esse tipo de equipamento.

Profissionais de saúde não se sentem preparados para lidar com o cenário de pandemia

Mesmo com uma variação entre profissionais e regiões, em média, 70% dos profissionais da saúde não se sentem preparados para lidar com a crise da covid-19, número bastante expressivo. “Esperávamos encontrar um cenário melhor depois de quatro meses de pandemia, mas a pesquisa mostra que os profissionais de saúde continuam numa situação de vulnerabilidade”, ressalta a coordenadora da pesquisa.

Na primeira fase da pesquisa, 64,97% dos profissionais da saúde entrevistados diziam não se sentir preparados para lidar com o cenário, o que demonstra que pouca coisa mudou.

O cenário de falta de preparo dos profissionais é preocupante, segundo avalia Michelle Fernandez, professora da UnB e pesquisadora do NEB. “Os profissionais de saúde estão desprotegidos na realização de suas atividades laborais. Sem treinamento suficiente para atuar na pandemia e sem acesso a testes, colocam em risco a sua própria vida para ajudar pessoas infectadas pela covid-19. Somado a isso está a falta de apoio dos governos. São soldados lutando desarmados em uma guerra perdida”, afirma.

A percepção sobre a falta de suporte governamental continua estável em mais de 50% dos profissionais. A falta de apoio do governo federal sentida pelos profissionais aumentou. Em abril, 67% diziam não sentir que o governo federal os apoia, enquanto que, em junho, já são 78%. O índice é muito maior ao de profissionais que sentem falta de suporte governamental do governo municipal, que chega 58%.

A alteração da rotina por causa da crise do coronavírus tem sido mais percebida pelos profissionais de saúde em relação aos relatos de abril. O índice de profissionais que responderam que a crise alterou suas rotinas, com mudança de rotina, de procedimentos, introdução de novas tecnologias, distanciamento físico, passou de 75% em abril para 95% em junho.

“As novas formas de interação entre os profissionais e os usuários dos serviços de saúde imprimem um distanciamento que impacta, inclusive, na qualidade do serviço prestado ao cidadão. Na atenção primária, onde existe uma relação próxima e cotidiana entre profissionais e usuários dos serviços de saúde, o distanciamento é ainda mais sentido”, completa a pesquisadora.

Fonte: Agência Bori

Envie denúncias, informações, vídeos e imagens para o Whatsapp do Portal Roma News
(91) 98469-4559ou clique aqui e fale conosco

Deixe seu Comentário

Leia Também

TCU sugere ao Ministério da Saúde que leitos de hospitais militares sejam usados por civis
ALTERNATIVAS

TCU sugere ao Ministério da Saúde que leitos de hospitais militares sejam usados por civis

há 11 minutos atrás
TCU sugere ao Ministério da Saúde que leitos de hospitais militares sejam usados por civis
Flordelis afirma que morte de Paulo Gustavo 'não é castigo de Deus'
INDIGNAÇÃO

Flordelis afirma que morte de Paulo Gustavo 'não é castigo de Deus'

há 34 minutos atrás
Flordelis afirma que morte de Paulo Gustavo 'não é castigo de Deus'
Eduardo Cunha volta a usar redes sociais após ter prisão domiciliar revogada
VIDA VIRTUAL

Eduardo Cunha volta a usar redes sociais após ter prisão domiciliar revogada

há 55 minutos atrás
Eduardo Cunha volta a usar redes sociais após ter prisão domiciliar revogada
Média de mortes por covid recua 14,7%; Brasil registra 11 dias consecutivos de queda
REDUÇÃO

Média de mortes por covid recua 14,7%; Brasil registra 11 dias consecutivos de queda

09/05/2021 22:21
Média de mortes por covid recua 14,7%; Brasil registra 11 dias consecutivos de queda
Presidente da CPI da Covid, Aziz afirma que Queiroga será reconvocado para depor
ABAIXO DA EXPECTATIVA

Presidente da CPI da Covid, Aziz afirma que Queiroga será reconvocado para depor

09/05/2021 21:40
Presidente da CPI da Covid, Aziz afirma que Queiroga será reconvocado para depor
Últimas Notícias