Dólar Americano/Real Brasileiro compra R$ 5,569 venda R$ 5,57 máxima 5,5695
Euro/Real Brasileiro compra R$ 6,7079 venda R$ 6,7096 máxima 6,7096
21 Abr - 23h40
quarta, 21 de abril de 2021
LIDER - MELHOR A CASA E SUA SOFA AZUL - DESK - 21 E 30/04
ALCOA - COMPARTILHAR - 16 A 30.04
ECONOMIA

Trabalhadores autônomos foram os mais prejudicados por pandemia em 2020, diz Ipea

Categoria chegou a ganhar 24% abaixo do habitual no segundo trimestre

08 Abr 2021 - 15h54Atualizado 08 Abr 2021 - 16h03
Trabalhadores autônomos foram os mais prejudicados por pandemia em 2020, diz Ipea - Crédito: Marcello Casal Jr/Agência Brasil Crédito: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

A crise econômica gerada pela pandemia do novo coronavírus (covid-19) prejudicou mais os trabalhadores por contra própria, revela pesquisa divulgada hoje (8) pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). Segundo o levantamento, essa categoria teve a maior queda no rendimento em 2020.

O pior momento para os trabalhadores autônomos ocorreu no segundo trimestre de 2020, quando a categoria recebeu 24% a menos do que a renda habitual. No quarto trimestre do ano passado, o indicador recuperou-se levemente, mas continuou abaixo dos níveis anteriores à pandemia, com recuo de 10%.

Os trabalhadores privados e sem carteira receberam 13% a menos do que a renda habitual no segundo trimestre e 4% a menos no último trimestre do ano passado. Os trabalhadores privados com carteira assinada não tiveram perda no segundo e no terceiro trimestres de 2020 e encerraram o último trimestre do ano passado ganhando 5% acima da renda habitual. No serviço público, os trabalhadores receberam 1% a mais que a renda habitual no segundo trimestre, 3% no terceiro trimestre e 5% a mais no último trimestre do ano passado.

Realizada com base em dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua), a pesquisa comparou a renda média efetiva com a renda média habitual. Enquanto a renda média efetiva caiu por causa do aumento do desemprego e da contratação com salários mais baixos, a renda média habitual subiu porque a perda de ocupações se concentrou nas áreas mais mal remuneradas.

Segundo o Ipea, a elevação da renda habitual para os trabalhadores privados com carteira assinada e o serviço público deve-se ao fato de que a eliminação de postos de trabalho atingiu principalmente os setores de construção, comércio e alojamento e alimentação, além de empregados sem carteira assinada e principalmente trabalhadores por conta própria. Dessa forma, quem permaneceu empregado foram os trabalhadores de renda relativamente mais alta, que puxam o rendimento médio habitual para cima.

Renda efetiva

Ao analisar apenas a renda efetiva dos três últimos meses do ano passado, sem levar em conta a comparação com a renda habitual, a pesquisa mostra que a queda também foi maior entre os trabalhadores por conta própria. Essa categoria encerrou 2020 ganhando 6,7% a menos que no mesmo período de 2019.

O recuo chegou a 1,4% entre os trabalhadores privados com carteira e 0,2% no setor público. Apenas os trabalhadores com carteira assinada recebiam, em média, 1,4% a mais no último trimestre de 2020 em relação aos mesmos meses de 2019, refletindo a recuperação do emprego formal no fim do ano passado.

Para Sandro Sacchet, técnico de planejamento e pesquisa do Ipea e autor do estudo, o fato de ter havido queda nos rendimentos efetivos em alguns grupos de trabalhadores no quarto trimestre indica potenciais efeitos do início da segunda onda da pandemia da covid-19. Segundo ele, os impactos poderão ser compreendidos quando forem divulgados os dados no primeiro trimestre de 2021.

Faixas

Na comparação por faixa de renda, a pesquisa mostra que a pandemia afetou proporcionalmente os mais pobres. Entre o primeiro e o segundo trimestres de 2020, o total de domicílios sem renda do trabalho aumentou de 25% para 31,5%. No quarto trimestre, a proporção chegou a 29%, mostrando uma recuperação lenta do nível de ocupação.

Em relação à quantidade de horas habitualmente trabalhadas, o levantamento mostra que a pandemia não afetou significativamente o indicador. No segundo trimestre, o total de horas trabalhadas caiu para 30,7 horas semanais, recuperando-se para 36,2 horas semanais no terceiro trimestre e encerrando o quarto trimestre em 37,4 horas semanais, com queda de apenas 5% em relação ao último trimestre de 2019.

 

Fonte: Agência Brasil

Envie denúncias, informações, vídeos e imagens para o Whatsapp do Portal Roma News
(91) 98469-4559ou clique aqui e fale conosco

Deixe seu Comentário

Leia Também

Jovem mata mãe a marteladas diante do irmão de 6 anos
FORAM 'AS VOZES'

Jovem mata mãe a marteladas diante do irmão de 6 anos

21/04/2021 22:36
Jovem mata mãe a marteladas diante do irmão de 6 anos
Governo anuncia aplicativo para crianças e adolescentes denunciarem violência
PLATAFORMA DE AJUDA

Governo anuncia aplicativo para crianças e adolescentes denunciarem violência

21/04/2021 20:41
Governo anuncia aplicativo para crianças e adolescentes denunciarem violência
Rio solicita adesão a novo regime de recuperação fiscal para maio
ECONOMIA

Rio solicita adesão a novo regime de recuperação fiscal para maio

21/04/2021 20:23
Rio solicita adesão a novo regime de recuperação fiscal para maio
Vacinação contra covid-19 do grupo prioritário deve encerrar em setembro, diz Ministério
ADIADO

Vacinação contra covid-19 do grupo prioritário deve encerrar em setembro, diz Ministério

21/04/2021 20:08
Vacinação contra covid-19 do grupo prioritário deve encerrar em setembro, diz Ministério
Mudanças nas normas cambiais abrem caminho para Pix internacional
TECNOLOGIA

Mudanças nas normas cambiais abrem caminho para Pix internacional

21/04/2021 19:54
Mudanças nas normas cambiais abrem caminho para Pix internacional
Últimas Notícias